Collateral Beauty

Em 25.01.2017   Arquivado em Reassistindo por Aí

Bom dia, tarde noite everyone!

Saí da pré-estréia de Beleza Oculta completamente embasbacada e com olhos ainda úmidos (sim, eu a pessoa que não chorava em absolutamente filme algum… a idade vai chegando e a gente muda, essa é a realidade). A impressão que o filme me deixou foi tão marcante e bonita que resolvi fazer um post extra aqui pro blog (já que estou mantendo o esquema de postagens domingo e quinta de resenhas literárias e terças livres…rs). Então, bora recomendar mais um filme:

Título em Português: Beleza Oculta

Título Original: Collateral Beauty

Estréia no Brasil: 26 de Janeiro

Estréia EUA: 16 de dezembro de 2016

Sinopse: Howard (Will Smith) entra em depressão após a morte de sua filha, com isso, ele passa a escrever cartas para os três pontos chaves que ele sempre lembrava em seus discursos motivacionais na empresa de propagando que possui com seu amigo Whit (Edward Norton): a Morte, o Tempo e o Amor. O que Howard não espera é que a Morte (vivida por Heln Mirren), o Tempo (vivido por Jacob Latimore) e o Amor (vivido por Keira Knightley) de fato respondessem, pessoalmente, suas mensagens.

O filme recebeu duras críticas desde sua estréia em dezembro e não teve grandes arrecadações. Contudo, eu estou aqui apenas para rasgar seda do filme e listar vários bons motivos para você ir ao cinema e não perder a chance de ver ainda na tela grande! E, se é do tipo que chora em longas emocionantes, leve um lenço (ou um balde) também!

Howard perde a filha pequena e isso devasta seu mundo. Whit, Claire (Kate Winslet) e Simon (Michael Peña) não são apenas seus colegas de trabalho, mas também seus amigos e não sabem ao certo como ajudá-lo e ainda resolver os problemas que a empresa enfrenta. O problema maior é que Howard se perdeu e não trabalha ou faz qualquer outra coisa que não seja andar de bicicleta pela cidade e montar extensos jogos de dominó.

E, claro, escrever cartas para os três culpados de sua perda e sofrimento: a morte, o tempo e o amor.

O enredo do longa surpreende e, quando você pensa que não pode haver mais uma descoberta, lá vem aquela última, que lhe arranca mais algumas – várias – lágrimas. Muito mais do que um filme vazio sobre pessoas sofrendo perdas e recuperações milagrosas, Collateral Beauty é sobre seguir em frente, em viver, mesmo depois da perda.

E, já adianto que fiquei querendo pegar um bloquinho na bolsa e anotar várias falas lindas e inteligentes que acontecem a todo instante. Uma das mensagens que me marcou foi quando Whit fala sobre a mãe, que, após um derrame, dizia várias coisas sem sentido e eles viviam discutindo quando ele dizia a ela que certas coisas não existem. Não são as palavras exatas, mas, em síntese, é que devemos aceitar a realidade dos outros. Além de várias outras mensagens inspiradoras, é óbvio, essa é uma das mensagens mais incríveis que o filme traz (e tem todo um desenrolar sobre a história a partir dessa questão de aceitar a realidade).

O filme segue com as visitas da Morte, do Tempo e do Amor à Howard, mas esses três elementos também se aproximam cada um de um dos amigos de Howard: o Tempo fica próximo de Claire, o Amor de Whit e a Morte de Simon. Cada um precisando também que aquele elemento lhe mostre alguma coisa e aprendendo mais sobre a vida do que poderiam imaginar.

O filme cita em dois momentos a “collateral beauty”, título original do filme, traduzido como “beleza oculta” na versão em português. Estou insistindo em falar de collateral beauty, em inglês mesmo, porque o termo, que pode ser traduzido literalmente como “beleza colateral“, fez, para mim, muito mais sentido com toda a dinâmica do filme e com o significado dado. Collateral beuaty é como toda a singeleza e beleza que nasce do caos, da tristeza, do medo, da morte. É como uma espécie de completude que, mesmo não trazendo aceitação ou substituição de ninguém, mostra um saber que há algo maior no universo que o simples encerrar da vida.

Ainda existem outros momentos lindíssimos no filme, que ficam a cargo de algumas passagens de pessoas do grupo de apoio ao qual Howard decide começar a acompanhar. Mas, não vou estragar a surpresa, assistam às cenas e se surpreendam!

Cada palavra, cada fala do filme tem total razão de ser e, todos os personagens centrais que, apesar de muitos, são bem apresentados e trabalhados, tem algo importante a acrescer para a ideia final do filme. Sem dúvidas é um título que levarei para a vida comigo.

Na Reclassificação de Filmes, Collateral Beauty é Fora de Série!

Não deixe de conferir o filme, que estréia amanhã nos cinemas de todo país!

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Ouvindo (apenas na minha cabeça): Adele – Chasing Pavements

  • Polly

    Em 25.01.2017

    Eu já ouvi falar (super bem) do filme, ainda não assisti (mas, já está na minha lista de filmes que pretendo assistir).

  • Marcella

    Em 25.01.2017

    Rê, quase chorei só com o post! Espero poder assistir na telona mesmo! Beijos. Saudade de você.

  • Marcella

    Em 25.01.2017

    Em tempo, apaixonada pela Reclassificação dos filmes… <3

  • Ane Carol

    Em 25.01.2017

    Se eu já queria ver este filme, depois de ver tua resenha eu tenho certeza que preciso vê-lo. Acho os filmes do Will que envolvem uma certa carga dramática emocionantes (A procura da felicidade, Sete Vidas…), esse só pelo trailer já deixa a gente meio que com os olhos marejados.

  • Erika Monteiro

    Em 25.01.2017

    Oi Rê, tudo bem? Vi o trailer do filme e o making off (entrevista com atores, etc.) e confesso que desde o início me chamou bastante a atenção, principalmente pela atuação do ator principal. Desde o filme À procura da felicidade admiro o trabalho dele. Comecei a assistir e vi somente uns 15 minutos, infelizmente ainda não terminei. Pelo pouco que percebi ele é carregado de sentimentos, tristeza, e exige bastante atenção para acompanhar o enredo. Senti o coração partido naquele momento em que ele derruba a montagem de dominós, é possível perceber o tamanho de sua dor. Vou tentar assistir inteiro dessa vez. Beijos, Érika =^.^=

  • Retipatia

    Em 25.01.2017

    Oi Erika! Quando puder, termine de assistir! Eu sou do tipo que não chora com quase nadaaaa e esse filme conseguiu arrancar lágrimas minhas e dar aquele nó na garganta! É de uma sensibilidade incrível e acho que vale muito a pena assistir! Também adoro o Will Smith e, se tem ele no elenco é sempre motivo para eu querer assistir! ehehe <3
    xoxo

  • Raquel Trindade

    Em 25.01.2017

    Puxa! Fiquei interessadíssima em assistir. Vou ter que esperar aparecer no meu catálogo de filmes, porque não o vi no cinema. Gosto de filmes assim como você descreveu. “Aceitar a realidade”, como é difícil às vezes! Amo a atuação d Will Smith e para mim, é um dos melhores atores que já atuaram ou atuam. Valeu pela dica! Bjs.

  • Retipatia

    Em 25.01.2017

    Oi Raquel! Ahh que bom que se interessou! O filme teve grandes críticas, mas a proposta dele é bem válida e serve de fonte de inspiração e, claro, algumas lágrimas! É uma ótima pedida para os fãs do Will Smith! <3
    xoxo

  • Julieta Souza

    Em 25.01.2017

    Obrigado por compartilhar sua resenha do filme e pelas ilustrações do filme na sua postagem! Muito boa, parabéns! Pessoalmente devo dizer que eu adorei assistir Beleza Oculta. A verdade faz muito tempo que não via um filme com uma história tão boa quanto Beleza Oculta, o que mais me impressionou foi a grande escolha de elenco especialmente Will Smith e Keira Knightley. Gostei muito da história por que não é tão previsível como outras. Eu recomendo muito a todos, a verdade vale a pena.

  • Retipatia

    Em 25.01.2017

    Oi Julieta! Ah que bom que gostou do filme! Eu também achei ele super sensível e com um enredo que tem uns pontos que realmente surpreendem! Além do elenco ótimo que você citou, realmente foi uma história que conseguiu mexer comigo, pensar em todas as perdas que as pessoas sofrem e em como cada uma delas lida com a perda. Lindo mesmo!
    Obrigada pela visita e pelo carinho!
    xoxo

%d blogueiros gostam disto: