Jogador Número Dois ♥ Ernest Cline

Retipatia
Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.

Estamos de volta ao OASIS em Jogador Número Dois e os desafios não são apenas agora importantes e relativos à vida dos covos. Agora, o desafio que está prestes a ser desbravado irá mudar a percepção de mundo para ninguém menos que toda a humanidade. Os High Five terão muito que batalhar e uma nova e eletrizante viagem pela década de 1980 está garantida!

Jogador Número Dois (Ready Player Two)
Ernest Cline
Tradução Flora Pinheiro & Giu Alonso
Intrínseca | 2021 | 416p.
Disponível em Amazon
“Através de pura vontade e inteligência, ele havia transformado novamente a ficção científica em fato científico, sem se preocupar muito com as consequências a longo prazo.”
Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.

Sobre Ernest Cline

Ernest Cline é escritor, roteirista, pai e geek em tempo integral. Autor de Armada e dos best-sellers Jogador Número Um — adaptado para o cinema por Steven Spielberg, com roteiro de Cline — e Jogador Número Dois, seus livros foram publicados em mais de cinquenta países, destacando-se nas listas de mais vendidos em todo o mundo. Ele mora em Austin, no Texas, com a família, um DeLorean máquina do tempo e uma grande coleção de videogames clássicos.

Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.

Sinopse de Jogador Número Dois

Dias após o fim do concurso lançado pelo fundador do OASIS, Wade Watts faz uma descoberta bombástica. Escondida no cofre de Halliday, há uma tecnologia capaz de alterar a natureza da existência humana para sempre — e talvez piorar mais as coisas.

Chamado de Interface Neural OASIS – INO – o dispositivo permite que o usuário use os sentidos no ambiente virtual e controle seu avatar com o pensamento. Também é possível gravar suas experiências no mundo real e que outras pessoas consigam revivê-las. Ainda que revolucionário, o INO torna o OASIS mais viciante e perigoso do que nunca.

Começa assim uma nova missão, uma caça ao último Easter egg deixado por Halliday, com um misterioso prêmio em vista. Wade e seus amigos enfrentarão um inimigo inesperado e poderoso e até mesmo múltiplas versões do cantor Prince. A vida de Wade e o futuro do OASIS estão em risco outra vez, mas a humanidade pode ser a maior vítima dessa guerra.

Com uma narrativa criativa e eletrizante, repleta de referências à cultura pop dos anos 1980 e ao universo nerd que consagraram o primeiro volume da série, Jogador Número Dois dá continuidade ao legado de sucesso de seu antecessor e lança os leitores em uma nova aventura futurista e surpreendente. O livro também ganhará uma adaptação cinematográfica, com roteiro do autor.

Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.

Jogador Número Dois

Jogador Número Dois: deseja continuar?

Confesso que antes de clicar em sim, quero continuar a jogar, meu maior medo era de que Jogador Número Dois fosse uma continuação que não estivesse à altura de Jogador Número Um, que li há alguns meses. E talvez isso justifique o fato de que dei esse espaço de tempo entre uma leitura e outra. Mas também posso adiantar que a obra não deixa absolutamente nada a desejar em relação ao primeiro e consegue expandir o OASIS de uma maneira impressionante.

E aproveito para deixar dois avisos, o primeiro é que, inegavelmente, essa resenha terá spoilers de Jogador Número Um e segundo, se você quiser conferir a resenha dele antes, é só clicar aqui!

Voltando ao jogo, nós retomamos o fio da meada bem na tranquilidade aparente que se estabeleceu depois que o livro um terminou: a IOI e Sorrento foram derrotados, os High Five assumiram o controle da GSS e o mundo continua a girar. Ainda que aos trancos e barrancos.

“Assim, eu não tinha motivo para me preocupar. Motivo algum. Só estava com uma aranha gigante de metal presa no meu crânio e prestes a se comunicar com meu cérebro.”
“Eu estava aqui, fisicamente dentro do OASIS. Não era mais como se eu estivesse usando um avatar. Agora era como se eu fosse o meu avatar.”
“Aquela era a etapa final e inevitável na evolução dos videogames e da realidade virtual. A simulação se tornara indistinguível da vida real.”

A questão é que, inesperadamente, surge uma mensagem no prêmio que Wade conquistou ao fim da primeira história, uma que o leva à um novo dispositivo, capaz de mudar todo o mundo. E sim, mudar muito para além do mundo tecnológico que já existe. Com a INO, inovação deixada por Halliday em segredo para seu herdeiro, o usuário pode experimentar o OASIS de um jeito totalmente novo: não mais através do controle do seu avatar, mas como se você fosse o seu avatar. Agora você pode sentir, cheirar, saborear, ouvir e tudo o mais quando entra no OASIS.

E é claro que uma inovação dessa magnitude não passaria despercebida. Apesar de Samantha não querer que a INO vá a público, ela acaba sendo voto vencido quando Shoto e Aech concordam com Wade. Quando a INO é lançada, não apenas a GSS se consolida como a maior empresa do mundo como também os High Five se tornam ainda mais absurdamente ricos.

A surpresa vem quando a INO já é usada pela maioria esmagadora de usuários do OASIS: um novo desafio é lançado e agora, o herdeiro de Halliday precisa encontrar os 7 fragmentos para restaurar a Alma da Sereia. Mas ainda que nada faça muito sentido e que não haja prêmio à vista, a verdade é que uma busca foi iniciada, uma com consequências que vão afetar toda a humanidade.

Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.
“Minha amiga Kira sempre disse que a vida é como um videogame extremamente difícil e injusto. Quando você nasce, recebe um personagem gerado de forma aleatória, com nome, raça, rosto e classe social determinados também de maneira aleatória.
Seu corpo é o seu avatar, e você começa em um lugar aleatório, em um momento aleatório da história da humanidade, cercado por um grupo aleatório de pessoas, e então tem que tentar sobreviver o máximo de tempo que conseguir.
Às vezes o jogo pode parecer fácil. Até divertido.
Outras vezes, e ser tão difícil que você tem vontade de desistir.
Mas, infelizmente, neste jogo você só tem uma vida.”

Os consoles estão prontos e a imersão começa logo na primeira página. Quando Wade começa a te contar a história você sabe que algo deu muito, mas muito errado mesmo. E precisa logo saber o que é. E assim, me aventurei em cada fase de Jogador Número Dois intercalando momentos saudosistas pelos anos 80, com momentos de curiosidade extrema e momentos de certeza de que tudo daria errado. Mas lembre-se, muito errado.

A prosa leve e divertida de Ernest Cline está tão vivaz aqui quanto em Jogador Número Um e, invariavelmente, toda a riqueza de cenários, criatividade, cultura popular e ícones da nossa história está também presente em Jogador Número Dois. Desde um mundo totalmente dedicado à Prince (ele mesmo, o cantor, compositor, instrumentalista, ator e muito mais) até uma nova viagem até o mundo de A Princesa Prometida de William Goldman. Mas é claro que não termina aí, você pode até não saber todos os detalhes da vida de Tolkien, como Sam, e acabar se perguntando porque não terminou de ler o Silmarillion, e pode também se ver (mais) fascinada pela obra de John Hughes, querendo rever alguns de seus filmes mais queridos, como, no meu caso, Curtindo a Vida Adoidado.

Mas fora toda a diversão garantida, um dos pontos que torna Jogador Número Um um clássico contemporâneo (título que eu mesma dei ahaha), é garantido em Jogador Número Dois. Aqui temos o melhor debate sobre a relação da humanidade com a tecnologia. Em como somos capazes de utilizá-las para os melhores e os piores fins, sem exceções.

Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.
“Os seres humanos não foram feitos para participar de uma rede social mundial composta por bilhões de pessoas. A evolução fez com que fôssemos projetados para sermos caçadores-coletadores, com a capacidade mental para interagir e socializar com os outros membros de nossa tribo. Uma tribo composta de algumas centenas de pessoas, no máximo. Interagir com milhares ou mesmo milhões de outras pessoas no cotidiano era demais para nosso cérebro descendente de macacos. Por isso que a mídia social vem aos poucos enlouquecendo toda a população mundial desde que surgiu na virada do século.”

No futuro de Jogador Número Dois, algumas boas dezenas de anos para a frente de nossos 2021 atuais, nós temos não apenas questões que envolvem o tradicional debate com inteligência artificial e uma possível revolta das máquinas, mas também um cunho maior quando se trata de viver – literalmente – dentro da tecnologia. E, como isso nos afasta cada vez mais do mundo que podemos chamar ainda de real, e como fica mais fácil fechar os olhos também para os problemas que existem neles.

Se for necessário descrever a aventura de Jogador Número Dois eu posso resumir como um jogo assustadoramente fantasioso e real. O mundo dá cada vez saltos maiores no sentido da tecnologia, é difícil – impossível, na verdade – para mente humana acompanhar tudo e viver em sociedade nunca foi tão desafiador. A conexão é tão rápida que você pode estar em vários lugares ao mesmo tempo, quando sua mente é incapaz de se desvincular de seu corpo para compreender isso. A parte boa é que estamos sempre mudando e evoluindo, a ruim é que a tecnologia também, e bem mais rápido do que nós. Mas, essencialmente, o mais importante é que nós sejamos capazes de viver tanto no mundo real quando somos capazes de nos fazer presentes no mundo das redes. Porque, na verdade, hoje, um é incapaz de existir sem o outro.

É hora de encontrar os fragmentos e fazer suas escolhas, Jogador Número Dois, você deseja continuar a jogar?

Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.
“Algumas pessoas se definem falando mal de todas as coisas que odeiam e dizendo por que todo mundo deveria odiá-las também. Eu não. Prefiro ser guiada pelo meu amor – me definir por alegres comentários de admiração em vez de declarações cínicas de desdém.”
“Vocês também serão extintos em breve, pelas suas próprias mãos. E sabem disso. É por isso que a maioria de vocês passa cada segundo conectado ao OASIS. Vocês já desistiram, e agora estão só esperando para morrer.”
“As coisas estavam começando a sair do controle, e senti uma onda de desesperança. Mesmo que eu e meus amigos conseguíssemos sobreviver a essa confusão, eu não acreditava mais que o OASIS sobreviveria.”
Resenha do livro Jogador Número Dois de Ernest Cline, publicado em 2021 pela Editora Intrínseca.

Aleatoriedades

Jogador Número Dois foi recebido em parceria com a Editora Intrínseca.

Além de indicar, claro, a leitura de Jogador Número Um, antes de ler esse, e as outras indicações só poderiam ser de um dos mestres da ficção científica, bastante citado na obra de Ernest Cline (considerando Jogador Número Um e Jogador Número Dois). Então as dicas são todas as obras de Kurt Vonnegut, em especial Piano Mecânico, Matadouro Cinco e Café da Manhã dos Campeões.

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Retipatia

Repense, renove, rediscuta...

%d blogueiros gostam disto: