Petrus ♥ Jéssica Miguel

Em 18.07.2018   Arquivado em Resenhas

Amor e amizade podem se confundir? Ou, um pode nascer do outro? Petrus e Ana sabem bem como explicar isso e, num conto regrado a bom vinho e ao calor de uma lareira, eles nos levam para o momento mais marcante de suas histórias.

Petrus – Série Irmãos Timberg

Autora Jéssica Miguel

Publicação Independente Amazon

Era para ser um sábado de dia dos namorados como tantos outros que já passaram juntos, não fosse pela aposta que Petrus e Apolo fizeram alguns meses antes. E a penitência era passar aquele sábado trancafiado em um quarto de hotel minúsculo com a única mulher que fazia o seu sangue correr mais quente nas veias.

Sobre a Autora

Jéssica Miguel é típica sagitariana que ama se aventurar no mundo dos livros. Viciada em café e filmes de super heróis. Carioca, mas adora mesmo os dias chuvosos. É mãe de uma princesa e, como romântica incurável, ainda acredita nos contos de fadas.

Sinopse

Existe uma linha muito fina entre o amor e a amizade. Petrus e Ana sabem que, a partir do momento em que ultrapassarem esse limite, será um caminho sem retorno. Isso os fez manter seus sentimentos trancafiados em seus corações.

Até que Petrus aceita uma aposta.

E em uma noite, a linha que eles tanto lutaram para não ultrapassar, se rompe.

Petrus

Uma aposta e Petrus e Ana se veem prestes a passar uma noite inteira em uma cabana aconchegante. Não que os amigos tenham problemas com a companhia um do outro, muito pelo contrário. A proximidade e a quantidade de garrafas de vinho que são esvaziadas ajudam a quebrar barreiras que criaram em suas mentes ao longo dos cinco anos que se conhecem. Incertezas serão colocadas para fora e, uma única dúvida paira entre os dois: são recíprocos os sentimentos?

“Temia que todos os sentimentos que mantinha aprisionados em seu peito, transbordassem pelos olhos.”

Talvez não seja justo começar a falar da história sem mencionar todo o contato que tive com a autora desde que a conheci, antes mesmo dela resolver se aventurar pelo mundo da escrita. Betei algumas coisas, ela alguns rabiscos meus e, ainda que a correria não deixe que a gente se fale com frequência, sem dúvidas, é alguém que tenho carinho. O que, de modo algum, atrapalha meu juízo de julgamento. Na verdade, sejamos sinceros, atrapalha sim, sou bem mais chata e exigente quando se trata de uma história de alguém que eu conheço. Com a Jess não poderia ser diferente.

“Quis contar para ela todas as vezes que sentiu o arrepio na espinha ao ser invadido pelo cheiro cítrico que ela exalava. Então sim, ele a notava. Todas as células do corpo de Petrus a notavam.”

Além das histórias dela que tive o prazer de betar, como o conto Virada de Destino, que faz parte da antologia A Virada do Ano (já rolou resenha no blog, só clicar aqui para conferir), Petrus foi uma história que foi para o Wattpad e que explodiu em números de leitura por lá. A minha leitura aconteceu só agora, que ele virou e-book e foi para a Amazon e, apesar de já conhecer a escrita da autora, que bela surpresa foi esse conto.

“Existia uma linha tênue entre a amizade e o amor, e Petrus sabia que a atravessaria no momento em que seus lábios provassem o sabor dos de Ana.”

De um jeito leve e aconchegante como a cabana que os personagens se hospedam, a narrativa de Petrus fluiu para uma leitura que deixou vontade de saborear um bom vinho. E isso não apenas porque houve evolução da escrita da autora, mas porque toda a história remete a sentimentos bons como carinho, amor, esperança e a ideia forte de que para tudo nessa vida, há tempo certo. Sem o devido timing, as engrenagens do relógio talvez falhassem e acabaria por fazê-lo desandar.

“Ali ele teve a certeza de que aquele sentimento enraizado em sua alma, seria para além da vida”

E, não foi apenas a narrativa que veio suave, a construção dos dois personagens principais, Ana e Petrus, praticamente os únicos que aparecem no conto, que, em termos de tamanho, é realmente uma história que pode ser lida enquanto se toma uma taça de vinho, é bem elaborada, e sentimos que conhecemos os personagens e aqueles que os circundam de maneira suficiente.

“Não precisavam dizer nada um para o outro. Tudo o que queriam demonstrar cabia em seus olhares.”

Ainda que a ideia de uma história sobre amigos que se apaixonam e que temem perder a amizade e que, por isso, hesitam dar um passo diferente no relacionamento, possa ser previsível, a ideia que o conto remete é justamente a de que uma boa taça de clichê, vez por outra, faz bem ao coração.

“Nós somos o resultado de nossas escolhas”

Petrus é um romance com aroma, sabor e calor de vinho, degustado na beira da lareira com a melhor companhia possível, aquela por quem se tem bem mais que amor de amizade, que se tem amor, daqueles bem românticos e clichês, e que por isso mesmo, compõem boas histórias.

“Quem inventou a saudade não sabia o que era passar um dia longe do seu coração.”

Aleatoriedades

  • P.s: o conto contém cenas hot, mas nada hard core não, ok!?
  • Para quem quiser conhecer mais da autora, é só acessar os IG’s dela: @aloucadosromances e @migueljess
  • Na falta de lareira, restaram o vinho e as taças para a foto… ahahah Sério, não existe frio na minha cidade para se ter lareira em casa, mas eu bem que amaria morar em um lugar super frio. Eu amo frio, essa é a verdade.
  • Atenção: nenhuma gota de vinho foi desperdiçada durante ou após a produção dessas fotos!

Petrus e outras obras da autora estão disponíveis na Amazon e no Wattpad!

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Ouvindo: Conqueror – Aurora

  • Jennifer Almeida

    Em 18.07.2018

    Amei!!!

    Excelente artigo!

    Sempre com artigos excelentes, com bastante informações e dicas extraordinárias.

    Parabéns!

  • Patricia Monteiro

    Em 18.07.2018

    Que delícia esse conto, senti daqui o clima envolvente de um encontro numa cabana com lareira, vinhos…como resistir? Realmente tudo tem seu tempo, era o momento certo da anizade virar paixão.
    Ah, me identifiquei muito com essa parte: “Carioca, mas adora mesmo os dias chuvosos”, sou assim, haha!

  • Retipatia

    Em 18.07.2018

    Oi Patricia!
    Ah é exatamente esse o clima, pura delícia esse conto! E também super concordo com o tempo das coisas! <3 hahaha Segundo Adriana Calcanhoto cariocas não gostam de dias nublados, né!? Então melhor esclarecer! ehehe Eu não sou carioca, mas também amo! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Luana Souza

    Em 18.07.2018

    Não gosto de vinho (meu paladas é tão infantil que eu não consigo gostar haha), mas fiquei com vontade de ler o conto. Vou contar a verdade: o Kindle Unlimited está me deixando viciada em ler romances, essas coisas bem “amorzinho”, sabe? É incrível pensar que há uns meses eu repudiava essas leituras, e agora eu gosto. Minhas amigas disseram que é uma maneira de eu saciar meus desejos de viver um romance e tal haha.
    Ok, mas acho que estou fugindo do foco da resenha hihi. Não conhecia a autora, e, mesmo a premissa me soando como algo que eu ~possa já conhecer~, fiquei curiosa para ler *-* obrigada pela indicação, Rê!
    Ah, as fotos ficaram muito aconchegantes. Um dia ainda teremos nossas tão sonhadas lareiras 🙂
    beijos.

  • Retipatia

    Em 18.07.2018

    Oi Luh!
    Eu super entendo, nem todo mundo gosta de álcool ou de vinho, especificadamente, e não se preocupe, não tem relação com a idade! 🙂
    Eu confesso que não lia tantos romances, mas o Unlimited também mudou minha vida, além de ler mais nacionais, leio bem mais romances que o costume. E o gosto da gente muda mesmo, tem tempos que a gente lê mais de um gênero, tem vezes que de outro. Acontece sempre, ainda que possa ser nosso desejo intrínseco de escapar da realidade, vez por outra! <3
    O conto é bem fofo, mesmo sendo um clichê, é uma história adorável e super gostosa de ler! 🙂
    ahaha Amém para as lareiras! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Cilene

    Em 18.07.2018

    Bom, eu adoro um bom clichê bem escrito ainda mais quando se tem vinho <3 e fotos tão aconchegantes.
    Eu acho esses contos de amor de amigo tão fofis, pois acredito em amor entre amigos verdadeiros são sempre possíveis e com certeza podem ser eternos.

  • Retipatia

    Em 18.07.2018

    Oi Cilene!
    Ah quem resisti à um clichê envolvente e aconchegante, não é? Esse conto é super fofo mesmo e acho também que a história pode ser super real! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Claudia

    Em 18.07.2018

    Rê querida
    AMEI o post!
    Eu chego aqui já sabendo que vou ficar babando nas suas fotos
    Por aqui adoramos vinho e consumimos bastante, então que bom que não foram desperdiçadas gotas deste nectar dos deuses!
    Gosto tanto do seu aleatoriedades que estou pensando em usar em alguns posts meus tbe. Fica muito bacana!
    Fiquei super curiosa para ler Petrus. Dica anotada
    Bjks mil

  • Retipatia

    Em 18.07.2018

    Oi Claudia!
    Own, obrigada! Fico feliz que já venha inspirada pra ver as fotos! <3
    ahaha E sim, por aqui também adoro um vinho e nada foi desperdiçado... eheheh
    Ahhh acredita que as aleatoriedades surgiu com uma das primeiras resenhas do blog? Gosto tanto de ter esse espaço que me faz colocar em todas as resenhas! Quando fizer me conta que vou adorar conferir! <3
    Quando ler o conto também me conta! ehehe
    Obrigada pela visita!
    xoxo


CAPTCHA Image
Reload Image
%d blogueiros gostam disto: