Criança Zumbi & O menino que se alimentava de pesadelos: contos de fadas do k-drama It’s okay to not be okay

Retipatia
Resenha dos livros O menino que se alimentava de pesadelos e Criança Zumbi de Ko Moon-young, do universo do k-drama It's okay to not be okay criado por Jo Yong.

Criança Zumbi & O menino que se alimentava de pesadelos são dois contos de fadas da escritora Ko Moon-young, do universo do k-drama It’s okay not to be okay e conta com texto de Jo Yong e ilustrações de Jam San. Duas histórias profundas, verdadeiras e que, de um modo ou de outro, falam sobre ver para além daquilo que está diante de nós.

Criança Zumbi: um conto de fadas de Ko Moon-young
O menino que se alimentava de pesadelos: um conto de fadas de Ko Moon-young
Jo Yong & Jam San
Tradução  Jae hyung Woo
Intrínseca | 2021 | 32p./24p.
Disponível na Amazon: Criança Zumbi | O menino que se alimentava de pesadelos

Sobre Jo Yong & Jam San

Jo Yong é sul-coreana e escreveu o roteiro de diversos dramas, entre eles Jugglers e Tudo bem não ser normal.

Jam San atua como concept designer e ilustrador. Fez ilustrações para dramas de sucesso, como Encontro e Tudo bem não ser normal.

Resenha dos livros O menino que se alimentava de pesadelos e Criança Zumbi de Ko Moon-young, do universo do k-drama It's okay to not be okay criado por Jo Yong.

Sinopses de Criança Zumbi & O menino que se alimentava de pesadelos

Com personagens cativantes e uma estética inovadora, o drama sul-coreano It’s Okay to Not Be Okay (Tudo bem não ser normal) conquistou uma legião de fãs ao redor do mundo e movimentou as redes sociais brasileiras a cada novo episódio lançado pela Netflix. Na produção, uma escritora de livros infantis bastante peculiar, um enfermeiro que trabalha em um hospital psiquiátrico e seu irmão mais velho, com transtorno do espectro autista, precisarão enfrentar seus traumas e medos para conseguir vivenciar o amor e criar laços.

Poéticas, impactantes e com belas ilustrações, as obras da personagem Ko Moon-young são os fios condutores da trama e encantaram os espectadores. Agora, esses contos de fadas modernos chegam às mãos do público brasileiro, em narrativas perturbadoras e comoventes que abordam com honestidade e crueza temas como solidão, liberdade, tristeza e afeto.

Em Criança zumbi, um menino de pele muito pálida e olhos bem grandes nasceu num pequeno vilarejo. Conforme crescia, sua mãe percebeu que ele não tinha sentimentos e que sentia uma fome insaciável. Todo dia, ela roubava animais das casas vizinhas para dar à criança. Quando uma pandemia espalha a morte pelo lugar, a mãe se vê obrigada a tomar medidas inimagináveis para salvar a vida do filho.

Em O menino que se alimentava de pesadelos, um garotinho é assombrado por pesadelos terríveis. Para tentar dar fim a esse tormento, vai até as profundezas da floresta e faz um pacto com uma bruxa. Ela apagará todas as lembranças ruins de sua mente, contanto que ele prometa que se tornará um adulto feliz. O acordo parece simples, mas o preço a ser pago caso ele não cumpra a promessa pode ser alto demais.

Criança Zumbi: a história e a leitura

Uma criança muito pálida e de olhos enorme nasceu num pequeno vilarejo e logo sua mãe descobre que ele não tem sentimentos, imagine só! E como se isso não fosse muito, ele tem uma fome insaciável, o que obrigava sua mãe a roubar os animais das casas do vilarejo para saciar seu apetite insaciável. O problema surge quando uma pandemia assola o lugar e não há mais animais para alimentar a criança. O que essa mãe estará disposta a fazer para salvar seu filho?

A sensação ao folhear e ver as imagens de Criança Zumbi é, digamos, agourenta. E gosto do agourento, o contraste da escala de cinza com o vermelho das ilustrações de Jam San são belos e sinistros. Levam à reflexão visual antes mesmo de compreendermos as palavras do conto.

Resenha dos livros O menino que se alimentava de pesadelos e Criança Zumbi de Ko Moon-young, do universo do k-drama It's okay to not be okay criado por Jo Yong.

Nessa história, o elemento-chave se forma rápido, o problema principal não sendo visto pelo personagem, mesmo escancarado, ou melhor, a jorrar sangue. Você passa pelas páginas e vem o impacto: a chave estava ali a todo o tempo, para quem quisesse abrir e encontrar as respostas. Mas será que somos capazes de ver aquilo que está bem à nossa frente com facilidade?

Partindo desse ponto, a maternidade é ponto motriz da trama, a relação da mãe da criança zumbi com a criança zumbi. E, através dessa fome insaciável, dessa ausência de sentimentos, vem o apelo: afeto. O que será que fez a criança zumbi ser uma criança zumbi? Essa é uma história sobre aquilo que estamos dispostos a dar àqueles que amamos, às vezes é demais, às vezes, pouco. E, em alguns momentos, o que achamos mais importante, de maior valor, não é aquilo o que o outro mais precisa. Mas muitas vezes a vida é sobre o que mais precisamos e não sobre o que mais queremos.

O menino que se alimentava de pesadelos: a história e a leitura

Era uma vez um menino que vivia aterrorizado, tinha pesadelos atrás de pesadelos, todas as noites. E, por causa disso, ele não conseguia ser feliz. Um dia, ele encontra uma bruxa e pede que ela leve seus pesadelos embora, já que seria a única forma de ele ser feliz. A bruxa aceita a oferta e, em troca, ele precisa viver uma vida feliz. Se não o fizer, ela voltará, dali a vinte anos, e colherá sua vida.

O menino que se alimentava de pesadelos é um conto de fadas tão singelo quando profundo. A história curtinha unida às ilustrações de Jam San dão um toque de pesadelo à obra. E, desculpe a obviedade da coisa toda, mas é isso, parece que um pesadelo fora desenhado ali e, de certa forma, tudo se explica no decorrer da trama.

Resenha dos livros O menino que se alimentava de pesadelos e Criança Zumbi de Ko Moon-young, do universo do k-drama It's okay to not be okay criado por Jo Yong.

Aliás, esse é um ponto incrível, em tão poucas páginas, com tão poucas palavras, você se norteia, entende o problema antes mesmo do personagem, mas ainda assim se pega refletindo sobre os temas que são abordados. Em especial, se pegar pensando sobre o sofrimento, o medo, a tristeza. São contrapontos da vida ao que fomos ensinados a buscar: a felicidade. Assim, é curioso pensar na possibilidade de uma vida sem tristezas, porque, sem o seu correlato, o que haveria de ser da alegria?

Aqui, não se trata de ficar triste ou permanecer triste, viver na tristeza, abraçá-la e adorá-la. Sobretudo, essa é uma história sobre onde encontrar coragem, onde encontrar forças, encontrar incentivo, aprendizado. Aqui, o lugar se chama pesadelo, mas poderia ser dificuldade no trabalho, na família, em qualquer adversidade que a vida imponha. Porque O menino que se alimentava de pesadelos é sobre encontrar a forma de seguir em frente.

Resenha dos livros O menino que se alimentava de pesadelos e Criança Zumbi de Ko Moon-young, do universo do k-drama It's okay to not be okay criado por Jo Yong.

Aleatoriedades

Os livros Criança Zumbi e O menino que se alimentava de pesadelos foram recebidos em parceria com a Editora Intrínseca.

Por último, mas não menos importante, a dica de leitura da vez é Em busca da feição real, que também faz parte do universo de It’s okay to not be okay. Outros livros infantis igualmente incríveis e capazes de encantar também gente grande são meu querido abismo e João & Maria!

Que a Força esteja com você!

xoxo

Retipatia

Repense, renove, rediscuta...

%d blogueiros gostam disto: