Nosferatu de Joe Hill: o livro e a série da AMC

Retipatia
Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.

O livro Nosferatu de Joe Hill, adaptado pela AMC com o título original NOS4A2, pode ser resumido facilmente. Um velho, uma estrada, um Rolls-Royce. Uma bicicleta. Uma garota. Uma ponte. Mas nada que indique a grandeza, a profundidade da aventura mista de suspense e terror que veio direto da Terra do Natal . Uma história eletrizante que você não conseguirá parar de ler, até chegar a última página. E é melhor chegar a ela antes que o Rolls-Royce alcance você.

Nosferatu (NOS4A2)
Joe Hill
Tradução de Fernanda Abreu
HarperCollins Brasil | 2020 | 608 páginas
Disponível em Amazon
“Ele era muito velho, sem falar que era horroroso. Seu imenso crânio calvo era um globo que parecia uma lua alienígena. Dentre todos os pacientes da unidade de cuidados prolongados – também conhecida como Recanto dos Vegetais -, o mais nefasto era Charlie Manx, que fora abrir os olhos justamente naquela época do ano. Manx gostava de criancinhas e sumira com dezenas delas na década de 1990. Tinha uma casa no sopé das montanhas Flatirons, onde fazia o que queria com as vítimas, depois as matava e pendurava enfeites de Natal em homenagem a elas. A imprensa tinha batizado o local de Casa Sino. Blém, blém, blém.”
Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.
Sobre Joe Hill

Joe Hill nasceu no Maine, nos Estados Unidos. Best-seller do The New York Times, é autor de diversos livros, entre eles Tempo Estranho. É também ganhador do Eisner pela série de quadrinhos Locke & Key, adaptada pela Netflix. Atualmente, Hill mora na Nova Inglaterra com a esposa e os filhos.

Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.
Sinopse de Nosferatu

Victoria McQueen tem um talento especial para achar coisas. Ao atravessar de bicicleta uma ponte perto de casa, ela consegue ir a qualquer lugar do mundo para encontrar o que procura, seja uma pulseira escondida, uma foto desaparecida ou até mesmo respostas para perguntas indecifráveis. Porém, após uma briga com a mãe, Vic vai até a ponte do Atalho e acaba encontrando Charles Manx.

Manx é um homem de aparência assustadora que, em seu velho Rolls-Royce, leva crianças à Terra do Natal — um lugar mágico onde todos os dias é Natal e é proibido ser infeliz. Ele tenta capturar Vic, mas a jovem consegue fugir. Anos depois, já adulta, ela busca superar os traumas do passado ao lado de seu filho, Bruce. Vic foi a única que conseguiu escapar das garras de Manx, e ele não se esqueceu disso. Charles não vai descansar até ter sua vingança. Agora, ele está dirigindo pelas ruas mais uma vez em busca de um novo passageiro: o filho de Vic.

Uma história assombrosa e aterrorizante que resgata a tradição dos grandes épicos de terror sobrenatural e consolida Joe Hill como um dos maiores escritores atuais do gênero.

NOS4A2

Se você ouvir o som de uma canção natalina fora de época, se ver um Rolls-Royce e, especialmente se sentir o cheiro doce de pão de mel, eu diria que é bom se despedir desse mundo, porque a Terra do Papai Noel espera por você. E ela é visceral.

“Uma pessoa podia passar a vida inteira vendo pássaros sem saber distinguir um pardal de um melro, mas todos nós sabemos reconhecer um cisne quando ele aparece. O mesmo acontecia com carros: você podia até não saber diferenciar um Firebird de um Fiero, mas identificava um Rolls-Royce.”

A Terra do Natal é um lugar maravilhoso em que toda noite é noite de Natal e toda manhã, é manhã de natal. Lá, as crianças podem brincar o dia todo, comer o que quiserem, sem obrigações. Pura diversão. Apesar de ser assim apenas quando Charles Manx, o conhecido sequestrador de crianças, é quem descreve o lugar.

“É, você fica sem saber o que está acontecendo ao redor. Mas ela não faz você dormir. É mais como se você só soubesse o que os outros lhe contam. E você perde qualquer intuição.”
Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.

Já que nem todos são como Manx, talvez seja possível querer saber a versão de alguém que vive no mundo real, alguém como Victoria MacQueen. Se bem que Vic não vive apenas no mundo real, na verdade, ela é capaz de invocar algumas coisas do mundo das ideias direto para o que nós chamamos de realidade. Como a Ponte do Atalho.

“Eu já disse que o caminho para a Terra do Natal é pavimentado por sonhos. Este carro velho tem o poder de sair do mundo cotidiano e adentrar as estradas secretas do pensamento. O sono é só a via de acesso. Quando um passageiro pega no sono, meu Espectro sai de qualquer estrada que esteja percorrendo e entra na Via Panorâmica São Nicolau.”
Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.

Por causa desse dom, desde criança Vic é ótima em encontrar coisas. Mas o que ninguém sabe é que ela usa sua bicicleta para atravessar a ponte do atalho, que já foi derrubada há décadas, para encontrar o que precisa. Então, bastam algumas pedaladas e voilà, ela pode sair do outro lado do país! Mas o que importa é que a ponte nunca erra!

“É o melhor lugar de todos. Com todo o respeito ao Sr. Walt Disney, a Terra do Natal é o verdadeiro lugar mais feliz do mundo. Na Terra do Natal é Natal todos os dias e as crianças de lá nunca sentem nada que se assemelhe à infelicidade. Não, elas nem entendem o conceito de infelicidade! Tudo que existe é diversão. É como o paraíso… só que, naturalmente, elas não estão mortas! Elas vivem para sempre, permanecem crianças por toda a eternidade e nunca são obrigadas a lutar, suar e se rebaixar como nós, pobres adultos.”

Enquanto alguns dramas familiares surgem e são explorados, Vic é apresentada ao longo de boa parte da sua vida: da infância à adolescência até a vida adulta. Ao mesmo tempo, surgem reviravoltas marcantes, tanto em sua vida como na da Charles Manx: eles se encontram. Um encontro perigoso que marca Vic para o restante da vida.

“Alguns minutos atrás, as luzes daqui se apagaram. A energia caiu na biblioteca inteira. Foi assim que eu soube que você estava chegando. A sua ponte é um curto-circuito na realidade. Igual às minhas peças. Você encontra coisas e as minhas peças soletram coisas.”

O detalhe é que agora, mesmo adulta, Vic precisa lidar não só com as lembranças do encontro mortal com Manx, mas com problemas um tanto quando mais mundanos, como contas a pagar, um filho para criar e uma vida para manter. Tem também aquelas ligações estranhas que só ela ouve, vindas da Terra do Natal. Apesar de tudo soar insano demais para sua vida atual, o recado é claro: Manx está mais vivo do que nunca (ou o mais próximo disso) e está atrás de seu filho Bruce, quer levá-lo para doce e encantada Terra do Natal.

“Acabei de ter uma agradável conversa com a última criança que Charlie Manx raptou. Ele agora é algum tipo de vampiro, está lá na Terra do Natal e quer alguma coisa para comer.”

O nível da viagem que nos espera no banco de trás do Rolls-Royce Wraith de Charles Manx é praticamente indescritível. É do tipo que te faz abrir as páginas, ouvir o ronco do motor junto à canção natalina da vez e torcer para que seus dentes não caiam. O suspense e o terror da história criada por Joe Hill surpreende porque traz a fantasia a um patamar tão intrínseco ao mundo, tão loucamente realista, que você se preocupa caso ouça um jingle natalino em pleno janeiro.

“O Natal já passara fazia praticamente três meses e havia algo desagradável no fato de ouvir canções natalinas quase no verão. Era como ver um palhaço debaixo da chuva, com a maquiagem escorrendo.”

Além disso, não há espaço para monotonia nas 608 páginas de Nosferatu, cada parte da história é bem elaborada, construída e funciona tão bem quanto as engrenagens do dono da placa NOS4A2. De fato, todas as peças andam em sintonia para mostrar o lado mais humano, e muitas vezes falho, dos personagens, em contraponto com a exatidão de quem perdeu sua humanidade há muito tempo.

“Wayne entendia agora que chegar à Terra do Natal era melhor do que entrar para a Escola de Hogwarts, melhor do que ir à Fantástica Fábrica de Chocolate, à Cidade das Nuvens de Star Wars ou a Valfenda, de O Senhor dos Anéis. Menos de uma criança em um milhão tinha permissão para entrar na Terra do Natal, e só chegavam até lá as que realmente precisavam. Era impossível ser infeliz lá, naquele lugar em que todas as manhãs eram a manhã de Natal e todas as noites eram a véspera do Natal, onde chorar era contra a lei e as crianças voavam como anjos. Ou flutuavam. Wayne não sabia muito bem a diferença.”

Assim como garante o melhor do suspense, Joe Hill traz o melhor do terror ao mostrar que o mais assustador é o que as pessoas são capazes de fazer umas às outras e bem menos a criatura terrível que pode espreitar por debaixo da cama.

“As informações eram um pote cheio de moscas e, quando você desatarraxava a tampa, as moscas voavam para todos os lados e boa sorte para quem tentasse reuni-las outra vez.”

Sente-se confortavelmente no banco do Wraith, relaxe, tire o casaco e os dentes, você não vai precisar deles na Terra do Natal. Bem, talvez até precise dos dentes, mas alguns novos e mais pontiagudos surgirão em breve. Tome uma caneca de chocolate quente, ouça o jingle natalino e deixe que NOS4A2 o conduza à imutável e perfeita Terra do Natal. Afinal, nem se você quisesse conseguiria saltar do Espectro!

“A fantasia era sempre uma realidade esperando ser ativiada, só isso.”
Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.
Nosferatu NOS4A2: série adaptada do livro de Joe Hill está disponível na Amazon Prime

Em 2019 Nosferatu ganhou uma adaptação pela AMC em associação a Tornante Television seguindo o título original do livro, NOS4A2.

NOS4A2 é estrelada pelo ator Zachary Quinto (de Star Treck) como Charles Manx, o Nosferatu e Ashleigh Cummings (de O Pintassilgo) como Victoria McQueen e tem os primeiros episódios dirigidos pela idealizadora Kari Skogland (minissérie Sons of Liberty).

De acordo com a produtora da série, Jami O’Brien, mesmo com o cancelamento da série após a segunda temporada, foi possível encerrar a adaptação da história de Joe Hill.

Aliás, a primeira delas está disponível no Brasil na plataforma de streaming Amazon Prime, (disponível para assinatura por apenas R$ 9,90 mensais, incluso outros serviços da Amazon, como frete grátis e Amazon Music, é só clicar para conhecer). A expectativa é que a segunda temporada entre no catálogo do Prime ainda no primeiro semestre de 2021, mas ainda não há confirmação do streaming sobre a data.

Resenha do livro Nosferatu de Joe Hill, publicado pela HarperCollins Brasil e da série adaptada pela AMC: NOS4A2.
Assistindo NOS4A2, primeira temporada:

NOS4A2 começa nos apresentando o método de Charlie Manx para sequestrar crianças e a Terra do Natal, dando gancho a alguns acontecimentos que temos no livro e destacando sua alcunha: Nosferatu. Logo que Maggie, a garota que lê as palavras cruzadas, é apresentada – com merecido destaque na série – são mostradas partes de sua história que são brevemente relatadas no livro.

Por outro lado, uma das mudanças é a apresentação de Vic McQueen, que não se inicia na infância e parte já para seus dezoito anos, com ela prestes a se formar na escola, tendo que decidir o que fará da sua vida. Assim, alguns acontecimentos da sua infância acontecem logo nos primeiros episódios, para apresentar a personagem e seus dramas familiares.

O único detalhe é que a atriz escolhida – que achei a personificação de McQueen adulta – não aparenta ter os 18 anos da personagem. Além disso, Vic pareceu infantil demais em vários momentos, já que mantiverem seus comportamentos dos doze anos do livro, aos dezoito, na trama televisiva.

Apesar de não sentir que tivemos grandes perdas em termos de história na primeira temporada, a aura sombria de Nosferatu parece um pouco caricata (demais) na série (eu diria que ele tem um tom levemente caricato no livro, o que o torna mais sombrio e cruel) e, além de um ritmo de desenvolvimento mais lento do que o ideal para um programa de tevê, se soma ao fato de que faltaram explicações ao longo da trama. Ou seja, quem não leu o livro, pode se ver perdido entre facas, rasgos na realidade e um espectro envenenado. Mas quem sabe na segunda temporada teremos mais respostas?

Fontes: AMCTV | Omelete | Jornada Geek

Aleatoriedades

O livro Nosferatu (NOS4A2) de Joe Hill foi cortesia do Submarino.

Esse foi meu segundo contato de leitura com Joe Hill e virei fã de carteirinha! Afinal, o primeiro lido foi a antologia Tempo Estranho, que também saiu pela HarperCollins Brasil e foi uma leitura incrível! Recomendo muito, mas especialmente, Nosferatu!

Que a Força esteja com você caso você se depare com um Rolls-Royce tocando músicas natalinas!

xoxo

Retipatia

One thought on “Nosferatu de Joe Hill: o livro e a série da AMC

  1. Chegar aqui para colocar os comentários em dia e dar de cara com o filho do peixao é de encher o coração de trevas, ops, amor rsss
    Eu ainda não li o livro, mas preciso muito!!! Vi a primeira temporada da série e me apaixonei!!!
    Preciso me tornar fã das letras do mestrinho também!!!
    Beijo

    Angela Cunha/ O Vazio na flor

Repense, renove, rediscuta...

%d blogueiros gostam disto: