Categoria "Contos"

Conto ♥ Can’t Blame a Girl For Trying

Em 11.03.2017   Arquivado em Contos

Sugestão de Música para Acompanhar a Leitura do Conto: Can’t Blame a Girl For Trying – Sabrina Carpenter

Não, a felicidade não está escondida nas pequenas coisas, como costumam dizer. É algo um tanto quanto mais sublime que isso. Não está no virar de uma esquina e esbarrar no amor da sua vida. Não está em assistir a um filme com a trilha sonora perfeita. Não está, definitivamente, em encontrar o emprego dos sonhos ou ter a carreira que deseja.

Tampouco pense que está em ter milhões na conta, em não se preocupar com dinheiro, em ter tudo o que sempre sonhou, o que precisa e o que não precisa também. Não está, ainda, em privar-se. Não está em desistir de tudo que é excessivo, em trocar os sonhos altos por alguns mais alcançáveis. Não está sequer, no fato de se sonhar.

– O que ele disse?

– Que não tinha porque continuarmos.

– E o que você disse?

– Mandei ele se ferrar. – Jordan ri, em resposta à minha fala. (mais…)

Conto ♥ A Vida Passa Muito Rápido

Em 07.03.2017   Arquivado em Contos, Projetos

Estou novamente na beirada, quase caindo. Olho para meus pés e estou calçando aquelas botas coloridas que eu tanto adoro. Papai me empurra e vou cada vez mais alto no balanço. Minha voz infantil continua a pedir “Mais alto, papai! Mais alto”. E ele me empurra e ri, vou mais alto, tão alto quanto é possível, até ver toda a cidade aos meus pés, os prédios parecendo peças acinzentadas de Lego. Tão alto e tão distante que, quando me solto do balanço, voo livre por muito tempo até começar a cair.

Não estou mais usando minhas botas coloridas ou confortavelmente ouvindo o sorriso de papai. Estou sozinha, caindo, me aproximando do concreto, cada vez mais perto do chão. Do impacto. Meu corpo irá se partir em milhares de pedaços.

– Lu? Luiza, acorde!

Abro meus olhos e vejo Camila com o olhar preocupado em minha direção. Suas mãos seguram meus ombros com força e meu corpo todo treme. Estou gelada e um suor frio escorre por minha pele. (mais…)

Conto ♥ Carnis Levale

Em 28.02.2017   Arquivado em Contos

Atenção: conto com indicação 18+

A despeito da vida, a dança é o tipo de coisa que, invariavelmente, não funciona quando duas pessoas tentam conduzi-la concomitantemente.

Em vários outros aspectos essas duas se encontram: precisam de sincronia, ritmo e sentimento para serem boas, bem feitas, bem executadas, bem relacionadas, bem escutadas e bem sentidas, por assim dizer.

Por mais que possa parecer que a vida e a dança são tão similares, já que possuem tantos aspectos em comum, não, elas não o são.

Dançar exige algo que a vida não exige, o parceiro certo. E, nesse caso, a dança de assemelha bem mais do sexo do que da vida. Não dá para que os dois os conduzam.

Afivelo meus sapatos e me encaro por alguns instantes no espelho. Meus lábios rubros dão destaque ao tom de minha pele e representam a única cor forte em todo meu reflexo. Impecável. Posso ficar impressionada com meu próprio reflexo? Bem, é uma época de luxúria, não vejo porque não ficar. (mais…)

Conto ♥ Lucidez

Em 14.02.2017   Arquivado em Contos

Sugestão de música para ouvir enquanto lê: Skinny Love – Birdy

O amor é uma distração. Uma muito boa. Uma distração muito boa para tudo que aconteceu, de tudo que você quer esconder. Ainda assim, não passa de uma distração.

As pessoas costumam insistir que há algo belo e irremediavelmente apaixonante no amor. Bem, se estiverem falando em certos tipos de amor, como aquele que temos por cachorros e gatos ou aquele que a gente aprende do berço para com os parentes mais próximos… mas a questão é que nunca estão. Sempre se referem ao amor hollywoodiano, ao amor que Jane Austen descreve, ao amor de Bentinho e Capitu, até, ou mesmo àquele amor de todo dia que esperam encontrar na esquina do trajeto ao trabalho, na cafeteria, no próprio trabalho, na balada. Talvez tenha me esquecido dos amores salvadores, que aparecem logo antes de alguém morrer. Porque, obviamente, morrer sem ter amado – este tipo de amor, fique claro – é absurdo e inimaginável.

Não, talvez eu não esteja sendo sincera e verdadeira. Qualquer tipo de amor é distração. Se ama muito, se vive pouco, apesar do que dizem. A questão toda é, o quanto se é capaz de fazer por amor? (mais…)

Conto ♥ Call It Magic

Em 31.01.2017   Arquivado em Contos

Leia ouvindo: Call It Magic – Coldplay

Um suspiro ruidoso, difícil, forçado. Foi o último, de toda forma. Minha memória auditiva nunca funcionou tão bem. Mas este não é o tipo de som que se esquece. É do tipo que fica gravado, desejando ou não.
– Está pronta? – O som da voz de Clara me desperta.
Balanço a cabeça em positivo, mas respondo mesmo assim.
– Sim, estou pronta.
Saímos de casa e o vento está abafado do lado de fora, dentro do sedã está, literalmente, um forno.
Ligo o ar condicionado e deixo as janelas abertas até o ar abafado se dispersar. Assim que o ar melhora, subo as janelas. Clara liga o rádio, mas aperto o botão para desligar logo em seguida.
Ela suspira contrariada e começa a mexer em seu Smartphone. Adolescentes são assim, suponho. Não lembro particularmente de como eu era, ainda mais porque, na minha época, não existiam tantos aparelhos eletrônicos. Não que isso justifique qualquer coisa.
O caminho é ensolarado e dirijo por quatro horas seguidas, parando já quase na hora do almoço. O ar está ainda mais abafado aqui.
Nos sentamos no restaurante de beira de estrada e um rapaz que deve ter a idade de Clara nos entrega os cardápios com a expressão mau humorada.
Ela escolhe batatas e um sanduíche e eu peço o mesmo. Não estou com fome realmente, não tenho fome há muito tempo.
– O que eles fazem, de especial? – Ela pergunta.
– Quem? – Às vezes não sei se ela está falando comigo ou com seu telefone.
– O circo, ou seja lá o que for que estamos indo ver.
– Não é um circo, é um parque. – Corrijo.
– E o que têm de especial nele? Pesquisei e não vi nada legal, nem um pouco próximo do Cirque du Soleil.
Mimada.
– Não, não tem. Não é um circo, Clara.
– Mas você disse que era mágico. Você usou exatamente esta palavra.

(mais…)

Página 4 de 6123456