Resenhas Literárias

A Férias da Minha Vida ♥ Clara Savelli

As Férias da Minha Vida
Clara Savelli
Intrínseca
2019 / 336 páginas
“Foram as férias da minha vida, aquelas que mudaram tudo. Meu mundo pequenino estava se expandindo em galáxias e universos. E, junto daquelas pessoas, eu mal podia esperar por todas as novidades que essa expansão traria.”
Sobre Clara Savelli

Gosta de fazer as pessoas darem boas risadas, tropeça dançando zumba e aguarda ansiosamente o momento em que vai ser coroada princesa de um país desconhecido. Fenômeno na internet, a autora carioca conta com mais de 4 milhões de leituras em plataformas como Wattpad e Sweek. Venceu o Prêmio Paulo Britto de Literatura em 2011 na categoria Prosa e também as edições de 2015, 2016 e 2017 do Wattys. As férias da minha vida é seu primeiro livro publicado pela Intrínseca.

Sinopse

Três amigas. Uma viagem incrível para um resort no Caribe. Na bagagem, lembranças, descobertas e paixões inesquecíveis.

Há muito tempo Ísis sonha com sua viagem de quinze anos. Na cabeça dela, estava tudo certo: iria para a Disney com a melhor amiga, Viviane. Quando os pais da amiga mudam os planos porque querem que Brenda, irmã mais nova de Vivi, vá junto, a frustração é grande. Dois anos depois, a viagem dos sonhos vai finalmente se concretizar. Só que a comemoração dos quinze vai ser aos dezessete. E a viagem terá outro destino…

Por influência de Cecília, a tia hilária de Vivi e Brenda, elas embarcam rumo à República Dominicana, um país que Ísis nem sabe apontar no mapa. Apesar de ser a adulta responsável pelo trio, Cecília vive com a cabeça no mundo da lua e só está preocupada com aplicativos de relacionamentos e as bebidas que o Caribe tem a oferecer. Ísis não faz ideia de como seus pais ultracontroladores concordaram com a viagem, mas, já que autorizaram, ela quer aproveitar ao máximo!

Um mês de sol, praia, partidas de vôlei e tranquilidade… A República Dominicana era a descrição perfeita do paraíso. No entanto, o universo parece ter outros planos, que envolvem surpresas, reviravoltas e, quem sabe, até um novo amor. Em As Férias da Minha Vida, Ísis vai descobrir que nem sempre a vida segue um roteiro. E que isso pode trazer experiências inesquecíveis.

As Férias da Minha Vida

Essas serão as férias mais marcantes da vida de Ísis, o único detalhe é que ela não sabe disso ainda. A comemoração dos seus quinze anos, que, por causa dos pais da sua melhor amiga, Vivi, passaram pros seus dezessete, afinal, Brenda, a caçula, também tem que ir e formar uma comemoração tripla, finalmente chegou.

O destino: Caribe. É, inicialmente era a Disney, como reza o manual, mas a maior parte das pessoas que escolhe a Disney aos quinze e não o Caribe é porque não tem uma Cecília em suas vidas. Apesar de sua atenção ser totalmente voltada para os apps de relacionamentos e os muitos drinks disponíveis no Resort, vamos lembrar que ela é a adulta responsável por aqui, ok!

Tudo o que Ísis deseja é aproveitar ao máximo o que será seu último mês de férias antes de entrar no modo maratona para o vestibular que sua mãe tanto deseja. Ok, isso ela pode pensar depois, agora, tudo o que ela quer é aproveitar o sol, sem esquecer o protetor solar, o chapéu e todas as proteções possíveis para sua pele ultrassensível.

Alguns estresses iniciais mas, convenhamos, tudo é lindo no Caribe. O sol brilha mais, o resort é um sonho de tão grande e lindo e, claro, é all included. Muitos drinks, por favor! Ah, sem álcool para o nosso trio Ísis-Vivi-Brenda, é claro!

O que Ísis não esperava é que relaxar dá muito trabalho. Aulas de zumba com um professor insuportável podem ser necessárias em nome da amizade. E, como se isso não bastasse, ainda tem aquele garoto atrevido que parece achar que joga mais vôlei que todo mundo nesse planeta. Ele é bonito, não vamos negar, mas, quem está reparando nisso quando ele é tão insuportável!?

A partir daí vai rolar de tudo um pouco, novos romances, novas chances e descobertas, surpresas, descobertas de limites e, também, de como burlar uma ou outra regrinha. Uma viagem que, sem dúvidas, irá ser mais do que simples férias, será o ponto de virada da vida de todas elas!

Recebi As Férias da Minha Vida da Editora Intrínseca no ano passado e logo comecei a leitura. Não estava fluindo muito e resolvi esperar um tempo para recomeçar e embalar nas aventuras de férias com a Ísis. Como o ano estava sendo conturbado e sei que nem sempre é a hora certa para uma determinada leitura, resolvi esperar. Assim, no começo desse ano, com a cabeça livre e mais tranquila, retomei o livro, do comecinho e voltei para a saga da viagem de Ísis ao Caribe.

O livro tem uma vibe bem teen/juvenil e, apesar de eu já ter passado há muito dessa época da vida (saudades, inclusive), e gostar muito de ler títulos com esse enfoque, As Férias da Minha Vida não conseguiu me cativar durante a leitura e, também, alguns pontos se tornaram problemáticos enquanto eu desbravava as páginas. Sabe quando você lê e parece que não saiu do lugar? Infelizmente, foi essa a sensação.

Sobre os personagens, não temos uma gama tão extensa nos papéis de destaque e, a protagonista em si, Ísis, é apagadinha. Apesar da história ser toda sob seu ponto de vista, não é algo fácil se apegar aos seus dramas ou mesmo ser cativada por ela. As outras personagens, que ganham bem mais personalidade sob o ponto de vista de Ísis, como o trio Cecília, Viviane e Brenda, mostram características mais marcantes e, por vezes, até mesmo mais bem desenvolvidas na trama do que as da protagonista.

A história em si, tem tudo pra ser aquele romance de verão que sentamos sob à sombra para aproveitarmos o calor e uma história divertida. Existem sim alguns momentos divertidos, mas os devaneios de Ísis são muitas vezes repetitivos e acabam comprometendo a narrativa. Ainda, alguns acontecimentos parecem muito ‘cena de filme da sessão da tarde‘, parecendo forçado em muitos aspectos.

Algumas dinâmicas essenciais à trama também sofrem com isso. Um dos personagens secundários que aparece com frequência é funcionário do resort, mas seu trabalho se resume à uma aula matinal e, depois ele tem o dia todo livre, todos os dias, para importunar quem bem quiser e participar de atividades para os hóspedes. Ou mesmo a própria personagem da tia Cecília, que aparece mais por questão de conveniência da história do que sentido na trama.

E temos um dos protagonistas: o resort. É pra ser lindo, perfeito, de luxo, impecável. Mas o fluxo de garçons vai depender da necessidade da cena, hora eles brotam de todos os cantos, ora é impossível aparecer vivalma. Além disso, as políticas sobre os funcionários é um tanto quanto perturbadora para um lugar em que os clientes devem ser bem atendidos e respeitados. É claro que falhas acontecem em todos os lugares e nem sempre a justiça é feita, mas o papel do resort não convence.

O romance que se desbrava também tem seus impasses, a visão de Ísis não é só equivocada, é praticamente cega. Às vezes dá a sensação de que nem se estivesse escrito no céu em luz neon, ela seria capaz de enxergar. As pressuposições dela também são tão ferrenhas, que a personagem só vê os erros alheios e, os próprios, nem com lupa. É claro que é compreensível a fase de sua vida e as inseguranças, mas é tudo tão extremado que chega a ficar enjoativo durante a leitura.

Alguns temas são abordados na história, como abuso, violência, machismo e homossexualidade. Este último, infelizmente, parece ter sido inserido com fins de ‘vamos ser mais inclusivos nessa história‘, já que é abordado com superficialidade.

O livro ainda vai falar de violência e abuso contra a mulher. Esse tema é bem pertinente na história, por causa do que é construído ao longo da trama, mas se perde um pouco com a resolução que era pra ser um tanto quanto divertida, mas que parece só mais uma cena falastrona da sessão da tarde e acaba, por isso, apresentando alguns furos e resoluções nonsense, apesar de ser possível perceber a boa intenção da coisa toda e a chama girl power que querem acender.

O lado positivo desse debate são as dúvidas e os questionamentos pelos quais Ísis passa, desde a dúvida se a culpa da situação era dela tanto quanto em como contar para as pessoas o que tinha acontecido. Esse é um diálogo importante porque, apesar de na maior parte dos casos o primeiro passo depender da vítima, que está fragilizada, a rede de apoio e suporte que ela precisa para conseguir superar a situação e realizar uma denúncia, por exemplo, nem sempre estão disponíveis e ela pode ser desacreditada até mesmo por aqueles que lhe são próximos.

“Expor meus sentimentos me deixava desconfortável, mas talvez seja exatamente essa honestidade em relação aos meus sentimentos o que falte para minha tão sonhada paz.”

“Viver se comparando uma com a outra ou com qualquer outra pessoa no mundo não é justo com vocês, nem é um caminho que traz muita felicidade.”

Mesmo que a leitura não tenha sido o ideal para mim, gosto sempre de lembrar que a visão que temos de cada história é sempre algo muito pessoal, passa pela vivência e olhar de cada leitor e, por isso, a mesma história pode ter milhares de interpretações e agradar de formas muito distintas cada leitor. Pelas avaliações do Skoob(4,1) e Amazon(4,6), o livro está com ótima recepção dos leitores! Para quem curte o estilo, vale dar chance a leitura!

Aleatoriedades
  • As Férias da Minhas Vida foi recebido em parceria com a Editora Intrínseca.
  • Para as fotos da vez eu queria mesmo era passar uns dias no Caribe e poder fazer umas fotos por lá, mas como meu saldo bancário não me permite esse tipo de atividade no momento… ehehe Fiz picolés pra foto e tentei usar alguns elementos que me lembravam a história, como o inseparável chapéu da Ísis e o drink (o meu é só suquinho, igual os da Ísis mesmo… rs).
  • As Férias da Minha Vida está disponível na Amazon em e-book e versão física! Inclusive, essa edição é toda fofa, com desenhos no começo de cada capítulo e ilustração da capa que se segue da frente até a parte de trás (primeira a quarta capa)!

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Retipatia

5 comentários

  1. Já pelo título e pela sinopse, soube que não ia me interessar pelo livro (estilo adolescente demais pra mim kkkk), mas resolvi espiar a resenha mesmo assim e, apesar de o meu interesse pela história continuar nulo, gostei de ter lido suas opiniões sobre o enredo e as personagens e ainda apreciar essas fotos tão charmosas.

    Fiquei chocada com o fato de você ter feito os picolés só para entrar no clima do livro! Uma graça <3

    1. Oi Dani!
      ehehe Sim, ele é bem adolescente! Feliz que tenha vindo ler mesmo não sendo seu estilo! 🙂
      Ah fico feliz que tenha gostado das fotos! ehehe Quando dá eu adoro fazer algum detalhezinho pra compor os cenários! <3
      Obrigada pela visita!
      xoxo

  2. As férias mais marcantes da minha vida foram na infância. Morávamos numa cidade e viajamos sempre para outra para curtir a praia, tínhamos até uma casinha de praia, toda de madeira. Os dias de praia em família eram incríveis, sempre nos divertimos. Levávamos nossa cachorrinha junto, quando ela fugia era um alvoroço, porque ela corria de mais e era difícil de alcançar. Sempre tive fobia de água, meu pai sempre me segurava com cuidado no colo pra que eu pudesse brincar na água. Acabamos vindo morar oficialmente nessa casa de praia, sinto uma falta danada daqueles tempos. As fotos são meu xodó. Até chorei escrevendo esse comentário, desculpa sou muito sensível a lembranças kkkk.

  3. As fotos ficaram perfeitas como sempre, mas como comentei acho que o livro não é muito para mim por conta dos personagens muito jovens e pelas suas ressalvas na resenha sinto que não vou curtir, pois são pontos que me incomodam.Pena que uma história que se passa no paraíso e que daria para ter uma trama leve mais gostosa de se ler,não tenha fluido.

    1. Oi Tati!
      Ahhh obrigada, feliz que gostou das fotos! <3
      Eu entendo, também queria ter curtido bem mais o livro, eu curto juvenis e tudo o mais, mas esse não rolou química. Mas vontade de ir pro Caribe ah se deu! ahahaha
      Obrigada pela visita!
      xoxo

Repense, renove, rediscuta...