Osso de Baleia ♥ Lorena Otero

Retipatia
Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.

Dizem que quem conta um conto, aumenta um ponto, mas o ditado popular que me perdoe porque Osso de Baleia conta alguns contos, sem aumentar. A liberdade que a ficção possui encontra aqui a realidade das loucuras que a vida costuma traçar na vida da gente e Lorena Otero nos apresenta doses bem contadas disso mesmo, da vida.

Osso de Baleia
Lorena Otero
Quintal Edições | 2019 | 119 páginas
Disponível em Loja Quintal Edições
“Para mim era difícil entender a complexidade do que eu sentia sobre o meu próprio corpo. Sabia apenas que ele precisava ser corrigido. Via pessoas dizendo ser possível amar seus corpos, viver em harmonia com suas imperfeições, mas isso significava pouco. Como poderia ser possível amar algo tão intrínseco quanto o ar? Você só o percebe quando ele está sujo. Isso era o que eu conhecia: um corpo poluído que precisava de purificação.”
Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
Sobre Lorena Otero

Lorena Otero escreveu seu primeiro livro aos cinco anos. Depois de ser devastada pela crítica, entendeu que precisava refinar sua técnica e tratou de estudar. Hoje ela é jornalista, redatora publicitária e aos 28 anos voltou para a literatura assinando a antologia Osso de Baleia (2019 – Quintal Edições). Com suas palavras, ela pretende provocar aquele risinho de canto de boca e, com um pouco de sorte, alguma reflexão.

“Para mim era difícil entender a complexidade do que eu sentia sobre o meu próprio corpo. Sabia apenas que ele precisava ser corrigido. Via pessoas dizendo ser possível amar seus corpos, viver em harmonia com suas imperfeições, mas isso significava pouco. Como poderia ser possível amar algo tão intrínseco quanto o ar? Você só o percebe quando ele está sujo. Isso era o que eu conhecia: um corpo poluído que precisava de purificação.” Trecho da Introdução de Osso de Baleia
Sinopse de Osso de Baleia

Até onde você iria para se manter firme na dieta? O que você faria com o seu corpo para impressionar alguém? Você se sente livre na sua pele? Osso de Baleia não responde nenhuma dessas perguntas, mas levanta essas e outras diversas discussões sobre transtornos alimentares, acessibilidade e os desafios vividos pela pessoa gorda em uma sociedade que considera a aparência física um valor moral.

O livro de estreia de Lorena Otero, traz seus dilemas vividos, retratados na coletânea que reúne 18 contos. “Minha intenção com essa obra é mostrar todo o dano que pode ser causado quando a pessoa gorda é desumanizada, tratada apenas como corpo. Somo todos seres integrais, que choram, sofrem e querem ser amados”, define a autora.

A jornalista e produtora cultural Jéssica Balbino é ativista contra a gordofobia e avaliou o livro ainda no prelo. Para ela, a obra tem qualidade literária que vai além da militância. “É um livro que eu sempre quis ler. Ele passeia sobre diferentes personagens e situações. Ora é a pessoa oprimida em destaque, ora a pessoa opressora. Ele rompe com essa barreira da gorda feliz ou da gorda triste e passa por todos os estereótipos, mas sem ser panfletário. É um livro para lá de necessário”.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
Osso de Baleia

Costumo sempre dizer que toda leitura tem seu tempo. Ao menos, para mim, costuma ter. Com Osso de Baleia não foi diferente, cheguei no lançamento do livro no ano de 2019 e catei o primeiro autógrafo de Lorena (ela pode não se lembrar, mas eu lembro rs). As palavras dela foram “Seja grandiosa!“. E é engraçado pensar em como essa frase diz tanto, com apenas duas palavras.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
“Aproximou a sobremesa do seu rosto e respirou longa e profundamente o seu aroma. Aquele era o cheiro do fracasso, da repugnância, do seu passado. A tentação de lamber apenas a cobertura era grande, mas agora ela era uma mulher saudável e bem-sucedida. Não iria colocar tudo a perder.” Qualidade de Vida

O que vem à sua mente quando ouve a palavra grandiosa? Grandeza faz a gente pensar em algo extraordinário, majestoso, magnífico até. E grandiosa dá essa sensação maravilhosa de vai lá e brilha. É uma boa anedota, um ótimo lembrete, mas é engraçado como penso nessa frase com um algo a mais: algo que fala comigo sobre tamanho. Sabe, sobre peso, gordura. Sobre ser gorda. E ser grandiosa. Ser gorda também é ser grandiosa, com o lado do tamanho e da parte maravilhosa. Não é uma ode à ser gordo (por favor, né!?), é um seja maravilhosa, não importa seu manequim, não importa se ele extrapola o “padrão de magreza” (às favas com esse tal padrão, inclusive).

“Nunca Regina havia passado tanto tempo livre quanto agora. Olhava com mais ternura para o espelho, não temia a mesa de jantar e já estava se esquecendo do cheiro do adesivo desinfetante que fica colado na parede interna da privada. Mas como em todas as outras vezes, sentia a corrente começar a puxar. Com a força de todas as suas cicatrizes, ela se agarra. Ao calor do sol. Ao amor que sente. Às infinitas possibilidades. E espera. Quebrar a corrente tem que ser mais fácil que fugir mais uma vez do cativeiro.” Vício

Falar disso é algo que ainda não me é completamente livre, sem rancores ou um mar de rosas de aceitação. É diferente. É complexo, é um olhar que deveria ser só meu sobre meu eu, mas que ainda é tolhido e polido por tudo que vejo/ouço/escuto/apreendo/leio/penso/sinto. Pelo mundo ao meu redor.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
“Para ele, dançar era como nutrir-se. Não seria possível existir de outra forma, portanto não havia sentido tornar aquilo um espetáculo.” Espetáculo
“A dança para mim é uma expressão da alma.” Espetáculo

E o que iremos encontrar em Osso de Baleia, um título perspicaz que não se explica pela mera leitura do livro, mas por sua interpretação, são tantos eus escondidos que não caberia em uma resenha. É fácil ter uma visão clara quando se está de um lado do jogo, até você perceber que a vida não é como uma partida de futebol que tem os jogadores do time x e do time y. A gente pode ser santo e pecador, gordo e gordofóbico, sofrer preconceito e ser preconceituoso. A questão é que, às vezes, não se trata de ser uma linha tênue, às vezes ela é como um fone de ouvido em emaranhado.

“É nossa tradição de pai e filho. Depois que começou essa dieta então, ele fica contando os segundos. É a hora dele de relaxar. Da última vez, até deixei ele comer todos os três potes de sorvete que quis. Acho que ele merece. Já tá fazendo tudo certinho, né? Não é uma saída com o papai que vai fazer mal.” Hereditário

Para mostrar isso, essa confusão que é ser alguém inserido em um mundo não preparado para você e que não te aceita como é, Lorena Otero teceu 18 contos. Você pode não ter vivido aquelas exatas situações, como esperar o date do aplicativo para um encontro; como ter alguém próximo que não suportou as pressões estéticas do mundo; como ser uma blogueira que vive competindo quem é mais saudável ou mesmo conhecer alguém que assassinou um parente que queria lhe oferecer um bolo. É, pode ser que não.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
“Olha! Que coisa boa! Tem que ter força de vontade, hein menina? Cuidar da saúde é muito importante. Fica firme! Se quiser te marco uma consulta no meu endócrino para você não fazer loucuras.” Perfil

Na verdade, a vida fala com a gente nem sempre exatamente pelo que a gente viveu, mas pelo que a gente sentiu daquilo ali. E as histórias de Otero são esse “sentiu daquilo ali”. É o sumo da laranja que escorre depois de espremida e que às vezes é doce e, às vezes, amargo na boca da gente. E assim ela vai apresentando pra gente um pouco de si, um pouco do Isaías, da Larissa, da Juliana, da Vivian e de tanta gente mais. Pode não ter meu nome nem o seu escrito, mas tem um pouco de cada um de nós nessas linhas.

“A mente não controla o coração e, aparentemente, é ele que controla a boca.” O Olhar
“Se ao menos olhassem o meu rosto antes de olhar para a minha barriga…” O Olhar

Linhas que falam abertamente sobre um tema que muitos acham incômodo ou moda (tá na moda ser isso, ser aquilo, gordo também né? E tem aquela tal de apologia à obesidade, como dizem). A verdade é que estar satisfeito num mundo que te vende insatisfação como modo de vida não só incomoda, é uma afronta. E afronta vinda de gente gorda é absurdo demais, a gente bem sabe.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
“Lembro que ela ficou devastada pela vergonha de voltar ao médico para retirar o balão ainda mais gorda. Ela falava que não era um caso de sucesso. Acho que, desde então, ela nunca conseguiu achar que valesse alguma coisa.” Balão Inflável
“O problema é que ela era muito sensível. Assistia muita televisão, lia muito romance. Ela achava que tinha que ser uma princesa, que precisava parecer com uma princesa. Por que ela não sabia que ela já era uma princesa? Para mim ela era. Sempre vai ser.” Balão Inflável

Mais do que discursos inflamados, apelos que entrariam por uma orelha e sairiam por outra, Osso de Baleia consegue atingir o cerne do leitor, porque não menospreza o tema, mas também não o enche de pompa, mostra as coisas como são. São personagens que você encontra em casa, na família, na casa vizinha, no trabalho, na esquina e na padaria. São pessoas que erram tentando acertar, que erram errando mesmo e que valorizam mais sua dor que a do outro. Que ignoram a realidade e creem em sandices. É tudo pela saúde. A gente só não sabe saúde de quem.

“Sem armadura, sou obrigado a reagir ao ambiente. Preciso me adaptar aos golpes, aos companheiros e aos adversários, o que me faz aprender cada dia novos movimentos. Preciso conhecer o terreno, pois qualquer passo em falso me jogaria em um buraco ou quebraria meus ossos. Me lembro de cada aclive, de cada cicatriz, de cada caminho que precisei percorrer. Preciso me conhecer para respeitar minhas forças e minhas fraquezas. Dessa forma posso me desenvolver protegendo o que pode me impedir de lutar.” Arma de Guerra
Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.

Narrar uma ou outra história dos contos aqui seria roubo (ou furto, já que considero um ato sem violência), então eu deixo o recado de que Osso de Baleia vai despertar você (gorde ou não) para o que a vista não costuma alcançar, para o que está além de uma uma barriga, de uma papada, de uma restrição alimentar, de uma olhada enviesada por comer um sanduíche, de não caber no assento ou passar na roleta. Mas para essas coisas também. Leia.

Resenha do livro Osso de Baleia de Lorena Otero, publicado em 2019 pela Quintal Edições.
“Mas a partir de agora, não iria se proteger de erros, não iria retardar seus movimentos, não iria deixar de aprender. Iria permitir que todos vissem a mulher que existia além da guerreira.” Arma de Guerra
Aleatoriedades

Recebi Osso de Baleia em parceria com a Quintal Edições, no lançamento da obra em 2019, em Belo Horizonte (e é um milagre que a Quintal ainda não desistiu da minha pessoa com dois anos para ler e resenha um livro rsrs).

A Quintal Edições tem mais dois livros que falam, em termos distintos, na categoria de não-ficção, sobre gordofobia e pressão estética. Eles são: Fominismo: quando o machismo se senta à mesa de Nora Bouazzouni e Não sou exposição: questionamentos sobre imagem corporal, autoestima de Paola Altheia.

Já para quem curte ficções e romances fofos com ótimos temas e discussões, duas dicas da Becky Albertalli: Os 27 Crushes de Molly e Leah Fora de Sintonia.

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Retipatia

One thought on “Osso de Baleia ♥ Lorena Otero

Repense, renove, rediscuta...

%d blogueiros gostam disto: