Incômodo Conto ♥ Cyntia Beltrão

A resenha de hoje pode lhe deixar um tanto quanto incomodado… e, posso dizer que não há melhor e mais necessário incômodo do que esse que é mostrado no livro da Cyntia Beltrão, publicado pela Quintal Edições, parceira do blog.

Incômodo Conto

Autora Cyntia Beltrão

Quintal Edições

Sobre a Autora

Cyntia Beltrão nasceu em Varginha, MG, bem antes da visita do ET. Cursou Psicologia na Universidade Federal de Minas Gerais e, de tanto “subir Bahia e descer Floresta”, se fez belorizontina. Hoje mora em BH com o marido, o filho e um cachorro. Escreve contos porque não sabe nem dançar um tango argentino. É o que resta.

Sinopse

Realismo fantástico, feminismo, contos de fada ou realidade pura medida pela régua da intuição? Os contos de Cyntia Beltrão podem se encaixar em qualquer uma dessas categorias e ao mesmo tempo em nenhuma delas. O tom único coloca a psicóloga mineira num lugar singular, permeado pela sensibilidade apurada. Cyntia traz temas e situações impactantes e cheios de plot twists, que seriam melhor definidos em português mesmo: torção no enredo. É na nossa língua, com o nosso sotaque e as nossas histórias que a escritora se expressa, em contos tão deliciosos quanto surpreendentes. Nara Lacerda, jornalista.

Incomodada

Dezenove contos-contados-narrados em um verdadeiro enlace de realidade e fantasia que, de tão bem entremeado, faz o leitor crer em crendices.

Temos uma mulher perfeita. Uma senhora catadora de memórias. Uma devoradora de livros. E uma mulher que deseja apenas pãezinhos gostosos. Temos muitas outras, inclusive, que mostram como os mais simples atos do cotidiano de uma mulher recebem os embaraços, preconceitos e violências que lhe são impostos pela sociedade.

Com uma narrativa envolvente e, sem dúvidas, leve, Cyntia permite que Incômodo Conto seja devorado de uma só vez, sem risco algum de indigestão, como a devoradora de livros já sofreu, ao encarar um romance russo inteiro. Narrativa esta que traz nuances às vezes evidentes, às vezes tênues do que é ser mulher.

“Cecília era o que poderíamos chamar de uma leitora voraz. Não a voracidade figurativa dos leitores assíduos, exigentes ou não, que leem no ônibus vencendo o enjoo enquanto outros cochilam ou se distraem  olhando a paisagem. Não, Cecília literalmente devorava livros.” A Devoradora de Livros

A maior parte dos contos, ou ousaria dizer, em certo grau, todos eles, possuem um quê de literatura fantástica, mas, nem de longe de modo a diminuir a veracidade do que é narrado. É tão apenas artifício célebre usado para enfatizar a história e demonstrar, com revezes lúdicos, cômicos e, por vezes, tragicômicos, a maneira como se desenrola os acontecimentos na vida das personagens. São alegorias perfeitas, histórias tão realmente reais que toda sua sensatez é destacada pelos momentos fantásticos.

Um dos muitos pontos fortes do livro é que, ao ler, somos levadas pelo imaginário ao lugar das protagonistas, com as dores, os amores, flores e espinhos. Sendo impossível não pensar em si mesma, na amiga, na colega de trabalho, na vizinha, na parente, na desconhecida que encontramos na volta para casa. É uma verdadeira aula de algumas das palavras que muito se houve falar atualmente, mas que poucos sabem o real significado: sororidade, empatia. E não há de se negar que, cada vez mais precisamos desse tipo de conhecimento, de respeito mútuo e união.

Mas é importante dizer que a leitura não é restrita ao público feminino, até porque não acredito muito em tal direcionamento. Talvez ainda mais que as mulheres, precisam os homens serem leitores desse tipo de história, saber o que incomoda, o que fere, o que violenta, o que desagrega, o que maltrata.

“O diabo gostava de olhar a coleção da velha e tomava umas duas xícaras do café ruim antes de ir embora.” A Velha

Não sou muito de eleger preferidos, mas o conto de deu vida à arte da capa, A Devoradora de Livros, sem dúvidas, é um dos meus queridos e, tem ainda A Mulher Perfeita, Menarca e A Velha, que foram alguns que registraram mais fortemente em minha memória.

“‘A massa precisa apanhar para crescer, Joana.’. E Joana escutava e aprendia.” A Engenheira

Há ainda um conto muito especial, que merece, digamos assim, menção honrosa, chamado Lama, escrito em memória do rompimento da barragem em Mariana/MG, em novembro de 2015. Sem dúvidas um dos contos mais tocantes e, um ótimo lembrete de algo que mal se ouve falar hoje em dia, apesar de todos os danos causados serem do tipo que vão reverberar por gerações e gerações, isso se forem recuperados…

“Talvez mudos eles finalmente compreendessem. Talvez mudos eles finalmente as deixassem em paz.” O Dia em que os Homens Ficaram Mudos

É incrível que todo esse post poderia ter sido resumido em: leiam esse livro! ahaha Mas, ao mesmo tempo, quem já passou pelo blog ao menos uma vez, sabe que eu não sei ser tão sucinta assim, então, precisava demonstrar todo o meu amor por aqui. Um detalhe bem legal é que ele segue a linha editorial empoderadora que é proposta da Quintal Edições, tanto pela publicação de vozes femininas, tanto quanto pelo conteúdo das obras.

“Ela espera que os anos a tenham deixado mais esperta, talvez mais lenta e não tão intrépida, mas esperta e paciente, muito paciente.” A Batalha

Aleatoriedades

  • Esse é o segundo livro que li da parceria com a Quintal Edições e, sem dúvidas, fica páreo ao nível de amor que tive quado fiz a leitura de Fadas e Copos no Canto da Casa, da Mariana Salamão Carrara, que já ganhou resenha aqui no blog, é só clicar aqui para conferir.
  • Logo quando pensei sobre como seriam as fotos para esse livro, não tive dúvidas de que queria uma singela homenagem à devoradora de livros. E fiquei até que satisfeita com o resultado, e vocês, o que acharam? Um adendo: nenhum livro fora literalmente devorado para as presentes fotos e, não, a página recortada não é do livro… ahaha É um exemplar antigo de Teoria Geral do Direito, já desatualizado, que serve de vítima nessas horas. Nenhuma gota de vinho (sim, é realmente vinho) foi desperdiçada para as fotos também… rsrsrs

Incômodo Conto e os outros títulos da Editora estão disponíveis na loja Quintal Edições e, aproveitem, a loja está com frete grátis nesse mês!

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Ouvindo: Blackberry Stone – Laura Marling

Repense, renove, rediscuta...

  1. Ahh achei a capa do livro a coisa mais linda! Fiquei em uma curiosidade sobre esse livro que você não tem noção. E Rê suas fotos são muito criativas, Parabéns!! ♡♡

    • Oi Alexia!
      Ah essa capa é um máximo, né?! Adoro essa ilustração da devoradora de livros! Vale a leitura para matar essa curiosidade! Feliz que tenha gostado das fotos! <3
      Obrigada pela visita!
      xoxo

  2. Oii guria!! Eu adoro vir ver as suas resenhas porque você coloca uns quotes no meio e as fotos sempre são originais. Eu achei muito legal o tema das fotos e faz todo o sentido. Realmente existem alguns livros que nos dão vontade de comer a história. Se foi isso que você quis passar, você conseguiu. Achei interessante a temática dos contos e me interesse pelo ponto de vista de psicólogos. Eu curto esse tipo de leitura. Acho super válido valorizarmos a nossa literatura nacional. Parabéns. Beijo

    • Oi Rebeca!
      Own que delícia ler isso, feliz demais que curte o estilo das fotos e das resenhas!
      Acho que as melhores leituras a gente sempre quer interiorizar e a ideia de devorá-los representa bem esse nosso desejo! ehehe
      Tenho certeza que você vai gostar da leitura dos contos, a temática é ótima e a profissionalização da autora ajuda no olhar apurado da sociedade! E é sempre importante valorizar o nacional, é claro!
      Obrigada pelo carinho e pela visita!
      xoxo

  3. Eu me apaixonei no momento que a autora foi descrita – essa coisa de subir bahia descer floresta sempre me pega e me faz sentir pertinho de quem escreveu, sabe como é né?
    Já tava apaixonada pelo livro e pela ideia, aí quando você comentou sobre o Lama eu decidi que eu preciso muito urgentemente ler esse livro.
    Amei o post, as fotos e os comentários importantíssimos sobre a página arrancada e o vinho no final ahahahahhaah
    beijos!

    • Oi Laura!
      Nossa, você nem imagina a alegria em ler esse comentário seu! Eu também adoro o modo como é a apresentação da autora porque dá essa sensação de que a gente quase a conhece, né?! E o livro é incrível, além das mensagens maravilhosas, a escrita é inteligente e cativante! Aproveita que a Editora está com frete grátis! <3
      Ahaha eu tô rindo, mas as observações sobre o vinho e a página eram essenciais, né?! ahahaha
      Obrigada pela visita e pelo carinho! <3
      xoxo

  4. Olá!!

    Eu adoro contos e sua resenha me fez ter uma vontade imensa desse livro.
    As fotos ficaram incríveis e achei legal ter haver com seu conto favorito pelo qual já fiquei curiosa, o que seria essa Devoradora de livros?? rs.
    Enfim, eu gosto muito de contos e esses que conseguem mexer com o nosso imaginário, sendo impossível não associar as nossas vidas ou de pessoas próximas, são os meus favoritos.
    Fiquei curiosa também pelo conto de Mariana.
    Anotei e vou ler!

    bjs
    Fernanda

    • Oi Fernanda!
      Ah que bom que a resenha despertou a vontade de ler! <3 Feliz demais que tenha gostado das fotos, e que tenha ficado curiosa pela Devoradora de Livros, esse conto é incrível e vale conhecer!
      Pela sua descrição do que gosta de ver nos contos, tenho certeza que esses foram feitos sob medida para você! <3 Quando ler me conta o que achou! <3
      Obrigada pela visita!
      xoxo

    • Oi Monique!
      Ah sem humildade alguma posso dizer que ele lindo mesmo! ehehe Fico feliz que tenha gostado das fotos e da ideia que elas passaram! E da resenha também!
      Obrigada pela visita! <3
      xoxo

  5. Estava realmente muito preocupada com essa folha solta kkk foi um alívio saber que não era página desse livro fantástico. Que interessante saber que fizeram um conto especial sobre Mariana lembro que fui em uma exposição chamada Lama e as imagens da barragem eram impactantes foi realmente devastador o que ocorreu….Ainda sobre Mariana lembro ter ouvido em algum lugar que o surto de febre amarela que aconteceu esse ano pode ter algo relacionado com o desastre ambiental na localidade…Agora voltando a resenha amei demais a variedade de contos dentro de um só livro e as referencias sobre a Devoradora de livros me deixaram muito curiosa com essa obra…amei a resenha Re bjs

    • Oi Marcinha!
      Ahaha ufa, ainda bem que não era folha do livro né?! ehehe
      Achei muito importante o conto sobre Mariana e, como você falou da exposição, eu só imagino como deve ser. Se imagens e palavras causam esse impacto, imagina a realidade como não é cruel… Não sabia dessa questão da febre amarela, mas vi falando que os moradores estão com níveis de intoxicação… muito difícil… :/
      Feliz que tenha gostado dos contos e ficado curiosa pela Devoradora de Livros, vale muito devorar essa leitura! <3
      Obrigada pela visita! <3
      xoxo

  6. Juro que não gosto muito de contos, mas confesso que fiquei querendo ler esses 🙂
    Adorei as fotos, mas me deu um negocinho de ver a página arrancada hahahahaha, bom saber que é de um exemplar antigo.
    Meu marido tem mania de riscar os livros que ele, que são mais voltados pra psicologia, a primeira vez que vi isso tive um surto hahahaha.

    • Oi Cilene!
      Ah que bom que ficou com vontade de ler mesmo contos não sendo sua preferência! <3 Prometo que são muito bons!
      Eu sei bem da dor no coração da página arrancada! ahaha Jamais faria isso com esse livro lindo ou mesmo riscar as páginas dele ou de outros, não consigo, de jeito nenhum! ahaha
      Obrigada pela visita!
      xoxo

    • Oi Evilin!
      Own obrigada, feliz que tenha gostado! E tô aqui rindo, juro que não é maldade querer aumentar sua lista, tá?! É que leitura boa a gente precisa compartilhar! <3
      Obrigada pela visita!
      xoxo

  7. Oi Rê, tudo bem? A proposta do livro é bem interessante. Faz um tempinho já que não leio contos mas eles sempre proporcionam uma leitura leve, rápida e cheia de personagens diferentes. O que mais gosto é que a leitura é fluida, não cansa o leitor e faz com que criemos diversos cenários em nossas mentes. Quando ainda estava no colégio lia bastante poesias, talvez fosse justamente por causa disso. Cada poesia é um mundo independente, tem vida própria e nos faz ter sentimentos diferentes. Enquanto lia o post busquei na mente o último livro de contos que li mas fui traída, não consegui lembrar de nenhum, uma pena (risos). Isso é sinal que devo ler novos livros. Amei sua indicação e o fato de não ser voltado apenas para mulheres. Suas fotos ficaram bem diferentes e chamam atenção. Que bom nenhum livro ter sido sacrificado haha Beijos, Érika =^.^=

    • Oi Érika, tudo bem e com você?
      Incômodo Conto tem essa leitura gostosa e leve, mesmo com os temas que são abordados, acho que seria um livro que você adoraria realizar a leitura! Eles tem essa independência e um gostinho de quero mais a cada um que lemos! <3 Não sou grande leitora de poesias, mas até que gosto de me aventurar por uma ou outra de vez em quando! eheheh E sou totalmente contra o sacrifício de livros, não preocupa! eheh
      Obrigada pela visita!!! <3 <3 <3
      xoxo

  8. Para variar, amei as fotos. Eu já tinha ficado curiosa quanto a esse livro ao ver a foto no ig. Acho que comentei com você. Não tenho certeza. Adoro contos, ainda mais quando a realidade é a ficção passam juntas. Aí minha lista de leituras…. Mais um.
    Bacio

    • Oi Lunna!
      Ahh as fotos! <3 <3 <3 ahaha Eu não lembro de você ter comentado, mas a memória aqui também é meio loka... ahha então tá valendo!
      Acho que você vai gostar bem dos contos da Cyntia, aumente sem dó essa sua lista! ahaha
      Obrigada pela visita, cara mia! <3
      xoxo

  9. Oi, Rê! Tudo bem?
    Eu estou sem palavras para dizer quão apaixonada eu estou por essas fotos! E devo admitir que quando vi a página arrancada eu parei para ler o título e uma parte dela, só pra garantir que você não tinha cometido nenhuma atrocidade imperdoável hahaha
    Sobre o livro! Achei a proposta muito boa, não sabia que a Quintal tinha essa pegada mais feminista e empoderadora – fiquei muito mais interessada em conferir as obras, adoro ter contato com esse tipo de “literatura consciente”.
    Abraços,
    Gislaine | Literalize-se

    • Oi Gis, tudo bem e contigo?
      Ah que bom que gostou das fotos!!!! <3 Se ler a página dá pra ver que o texto não tem relação com o livro, aí é bom que de cara as pessoas perdem o instinto assassino para com a atrocidade que cometi... ahahah
      A proposta da Quintal é incrível, Gis, vale muito a pena conhecer o trabalho delas, me apaixono cada vez mais!
      Obrigada pela visita!!! <3
      xoxo

    • Oi Giovana!
      Eba, feliz que curtiu as fotos e a resenha! <3 O livro pode sim ser devorado de uma só vez, sem risco de indigestão, mas pra quem quiser ler aos poucos também super funciona!
      Obrigada pela visita! <3
      xoxo

  10. Pingback: Noite Prateada, Molhada e Vermelha ♥ Cristiane Lopes - RetipatiaRetipatia

  11. Pingback: Cumulonimbus - Camila Quintanilha - RetipatiaRetipatia