Resenhas Literárias

Os Delírios de Natal de Becky Bloom ♥ Sophie Kinsella

Os Delírios de Natal de Becky Bloom (Christmas Shopaholic)
Sophie Kinsella
Editora Record
2019 / 480 páginas
“Ninguém compra nada para si mesmo em novembro ou dezembro, porque vai que você recebe de presente.”

Sobre a Autora

Madeleine Sophie Townley, conhecida como Sophie Kinsella, nasceu em Londres, Inglaterra em 12 de dezembro 1969. Ela é irmã da também autora Gemma Townley (“Quando em Roma”, “Manual Para Românticas Incorrigíveis”, “1 Milhão de Motivos Para Casar” e etc) e de Abigail Townley, que é advogada. Cursou um ano de Música antes de trocar de curso e se graduar em Politics, Philosophy and Economics (PPE) pela New College, Oxford.

Trabalhando como jornalista financeira, em 1995, aos 24 anos, sob o nome Madeleine Wickham lançou seu primeiro romance “The Tennis Party” que foi um sucesso e logo entrou para a lista de mais vendidos. Como Madeleine Wickham publicou sete livros, dois quais apenas três foram traduzidos para o português.

Em 2000, enviou anonimamente para a própria editora, sob o pseudônimo Sophie Kinsella, o primeiro volume da Série Becky Bloom, “Os Delírios de Consumo de Becky Bloom” (título original em inglês: “The Secret Dreamworld of a Shopaholic”. Posteriormente intitulado “Confessions of a Shopaholic”). Este livro logo se tornou um sucesso editorial!

Só em 2003, com o lançamento de “O Segredo de Emma Corrigan” (“Can You Keep a Secret?”), ela revelou sua verdadeira identidade. O pseudônimo Sophie Kinsella foi criado a partir do nome do meio dela, Madeleine Sophie Townley, e o nome de solteira da mãe dela, Patricia B. Kinsella.

Sinopse

A irresistível consumista Becky Bloom está de volta e com uma missão: fazer um Natal inesquecível! Becky Brandon (nascida Bloomwood) adora o Natal. A família se reúne na casa dos pais dela, eles ouvem canções natalinas, sua mãe finge ter feito a sobremesa e os vizinhos chegam para tomar uma taça de xerez usando suéteres horríveis de Natal… Pelo menos agora, com a internet, as coisas ficaram mais fáceis. Todos os sites estão em promoção. Além disso, se as suas compras passarem de determinado valor, você ainda ganha frete grátis! E, nessa época, as vitrines estão brilhando, convidativas, cheias de descontos! Mas as coisas serão um pouco diferentes esse ano… Sem conseguir resistir aos apelos da cerveja artesanal e do creme de abacate, os pais de Becky acabam se mudando para Shoreditch, um bairro super da moda, e pedem à filha que organize o almoço de Natal pela primeira vez. Combinado. Afinal, o que poderia dar errado? Becky é perfeitamente capaz de organizar um almoço maravilhoso, não é? Mas ela tem de atender a algumas demandas bem específicas, como providenciar um peru vegano para a irmã, um presente perfeito para Luke (ela só precisa encontrar uma maneira de entrar num clube exclusivo para homens) e um mimo para sua filha Minnie (se ela conseguir entender o que a garotinha realmente quer ganhar). Ah, e ainda tem um ex-namorado dela que surgiu do nada, cheio de segundas intenções, e com a nova e controladora namorada dele. Mas Becky vai tirar tudo de letra. Será?

Os Delírios de Natal de Becky Bloom

Talvez você já a conheça. Do filme ou mesmo do primeiro livro intitulado Os Delírios de Consumo de Becky Bloom. Agora, se não é este o caso, deixe-me ter a honra de lhe apresentar a senhora Becky Brandon, nascida Bloomwood. Talvez a vejam como alguém viciada em compras, mas garanto que Becky é bem mais do que isso.

Em Os Delírios de Natal de Becky Bloom seu desafio é preparar o Natal perfeito, ser a anfitriã e receber todos seus familiares e amigos em sua casa. E, por perfeito, entenda-se que Becky tem o desejo de não apenas criar um evento digno de recordação, mas também agradar e atender a todos os pedidos. Desde as recomendações veganas e anticonsumismo da sua irmã Jess, a marcas específicas de chocolates e três tipos de molho de carne, até uma piñata de Natal.

“Amo como as coisas que compramos na internet simplesmente vêm até nós.”

Se fosse qualquer outra pessoa, talvez a tarefa não fosse tão difícil. Mas Becky, além de ter de lidar com tudo que precisa ser feito – e especialmente com tudo que precisa ser comprado – tem que conviver com a meteórica aparição de um ex namorado da época da faculdade: Craig. Ah, ele agora é um astro do rock. E tem também todos os presentes que Becky precisa comprar, incluso o de sua filha Minnie (e se ela mudar o que quer ganhar no último minuto?) e, claro, o presente perfeito para o marido perfeito Luke (o que inclui fazer parte de um clube de bilhar exclusivo para homens e ganhar uma rifa. Nada muito impossível, é claro.).

Essa é Becky, alguém que quer, acima de tudo, agradar a todos aqueles que a rodeiam e, nesse meio tempo, aproveitar para fazer algumas várias compras online ou mesmo, na loja em que trabalha e em que, num momento de epifania, criou o espírito sprygge, que talvez seja finlandês. É o que dizem.

“Comprar pela internet não é a mesma coisa que fazer compras. É fazer uma aquisição. Você adquire coisas pela internet. Mas você não sente a emoção de entrar em uma loja e ver pessoalmente todos aqueles produtos maravilhosos, sentindo a textura, passando a mão e sendo seduzida por tudo.”

A série Shopaholic (no original), já conta com nove títulos, e confesso que a leitora aqui conheceu a Becky através do filme, lançado em 2009, com Isla Fisher como Rebecca Bloomwood, Hugh Dancy como Luke Brandon e Joan Cusack e John Goodman como Jane e Graham Bloomwood (pais de Becky). O filme me levou a ler o livro e foi uma das mais divertidas que já tinha feito. O livro e o filme contam com algumas diferenças bastante intrínsecas, deixando o primeiro livro bem mais brechas para continuações do que o enredo do filme. E, mesmo tendo lido apenas o primeiro e o último livro, foi possível acompanhar a história, as diferenças da vida de Becky sem problemas, tudo se encaixa e é bem colocado, não deixa o leitor perdido.

A escrita da autora tem exatamente um tom leve e descontraído característicos dos chick-lit e Becky faz bem sem papel nesse quesito, tentando várias vezes para o exagero e para situações extremas. Um dos detalhes legais são os e-mails e conversas de whatsapp que surgem a todo começo de capítulo e em partes pontuais de história, garantem risadas, uma amostra da Becky e dão continuidade à trama.

As aventuras, delírios e confusões são inevitáveis quando se trata de Becky, mas as risadas e o amor que envolve a época de Natal também estão garantidos nessa história.

É claro que é impossível não destacar que Becky é uma compradora compulsiva e bem distante de um ideal do que se deseja nos dias de hoje. Nesse quesito, Becky não é um ideal a ser alcançado. Contudo, é impossível não ler a história e perceber a crítica que os próprios extremos e exageros da personagem usam do cômico e divertido para passar sua mensagem. Não apenas do consumismo extremo como de relações interpessoais, amizades, amor e família.

“A vida conjugal deveria ser como Durex. Deveria colar tudo direitinho. Mas não é isso que acontece. Às vezes o Durex solta e nunca mais volta a colar direito.”

Becky é aquela pessoa que chega a ser difícil às vezes pintar como real. Ela leva alguns detalhes ao extremo pé da letra, como a “economia de alguns euros” ao fazer uma compra de peças em promoção num site. Ou mesmo quando se descontrola nas compras e, para compensar e seguir a ideia de consumo consciente que a irmã lhe dera, fazer também, uma compra de algum projeto local que incentive a reutilização de materiais, por exemplo.

Mas é claro que Becky não é apenas isso, ela é alguém que se preocupa com os outros, que está sempre disposta a ajudar e estar disponível. É alguém que quer agradar tanto a todos que isso às vezes lhe traz problemas, tudo por causa da insegurança e dessa necessidade de fazer tudo perfeitamente. É impossível não ler e não tirar bons exemplos da nossa própria vida e, claro, se divertir pelo caminho. Uma leitura leve, divertida, romântica e no melhor clima natalino que se pode desejar!

“Mas precisamos nos lembrar que o Natal, como o padre nos disse hoje cedo na igreja, não tem a ver com o tamanho da sua roupa nem com se espremer em um vestido e morrer sufocada, escutando todo mundo dizer ‘E bem no dia de Natal’. O Natal tem a ver com usar um vestido no qual você possa respirar e mexer os braços, porque você precisa fazer essas duas coisas – com todos os abraços e exclamações, brindes e comida.”

Aleatoriedades
  • Os Delírios de Natal de Becky Bloom foi recebido em parceria com o Grupo Editorial Record / Editora Record.
  • Esse é o nono título da série Shopaholic (no original) e que conta as aventuras de Becky: Os Delírios de Consumo de Becky Bloom; Delírios de Consumo na 5ª Avenida; As Listas de Casamento de Becky Bloom; A Irmã de Becky Bloom; O Chá-de-bebê de Becky Bloom; Mini Becky Bloom: Tal Mãe Tal Filha; Becky Bloom em Hollywood; Becky Bloom ao Resgate e, claro, o último lançado Os Delírios de Natal de Becky Bloom.
  • Os Delírios de Natal de Becky Bloom e outros títulos da autora estão disponíveis na Amazon em e-book e versão física.

Que o Natal e o 2020 de vocês seja muito sprygge!

xoxo

Retipatia

2 comentários

  1. Apesar de adorar Sophie Kinsella , apenas vi o filme, mas depois desse lançamento uma amiga me chamou para fazer uma lc durante o ano dos livros desta série. Adorei a sua resenha que mais uma vez dá agua na boca de ver esses petiscos.

    1. Oi Tati!
      Eu gosto bastante do filme, tem várias diferenças pro livro, mas manteve a essência da Becky! Acho que será uma LC super divertida, como os livros da Sophie são! <3 Aqui a parte boa é que depois das fotos dá pra comer! ahhah
      Obrigada pela visita!
      xoxo

Repense, renove, rediscuta...