Resenha ♥ Iluminadas ♥ Lauren Beukes

Em 22.01.2017   Arquivado em Resenhas

Bom dia, tarde e noite folks!

A resenha de hoje – que quase não saiu por causa de um bug no blog – é de uma das leituras de 2016 e é uma super recomendação!

“Bom é a exata definição da mediocridade. É algo gentil. Socialmente aceitável. Precisamos viver com mais brilho e profundidade, sem nos contentarmos com o que é bom, querida!”. p. 30.

Título: Ilumindas

Autora: Lauren Beukes

Editora: Intrínseca

Sinopse: Kirby é a última das “meninas iluminadas” cuja vida Harper é impelido a eliminar após invadir uma casa abandonada em Chicago, nos anos 1930. Sob o domínio da casa, que funciona como uma espécie de portal para o futuro, Harper se insere na vida das jovens, esperando pelo momento certo de atacar. Ele é o assassino perfeito, desaparecendo após cada crime, indetectável – ate que uma de suas vítimas sobrevive. Determinada a fazer com o que o homem que tentou matá-la responda por esse crime, Kirby ingressa no Chicago Sun-Times para trabalhar com o ex-repórter policial Dan Velasquez, que cobriu seu caso. Em pouco tempo, Kirby se descobre perto de uma verdade inimaginável. Uma reviravolta genial nas histórias de serial killers, Iluminadas é um thriller violento e memorável sobre uma heroína em busca de um criminoso mortal. (Contracapa).

 

“Nada é infinitamente redutível. É possível partir um átomo, mas não se pode transformá-lo em vapor. As coisas permanecem. Agarram-se a nós, mesmo quando estão partidas. Uma hora ou outra é preciso catar os cacos. Ou ir embora. Não olhar para trás.” p. 43.

Iluminadas fez parte da lista de livros que escolhi para a Maratona Literária que participei no ano passado e era incluído no tema ‘viagem no tempo’. O único arrependimento que tenho acerca de Iluminadas é não tê-lo lido antes. Chega a ser difícil falar sobre o livro sem, repetidamente, dizer o quanto a história é fantástica e envolvente, em como os personagens são incrivelmente reais e factíveis e como eu agora sou fã de Lauren Beukes.

“Os eixos da corrupção são lubrificados com creme de confeiteiro. Ou ao menos os donuts foram o preço que Kirby pagou para ter acesso aos arquivos que, aliás, ela não tinha qualquer boa desculpa para verificar.” p. 68.

Kirby é uma das vítimas do serial killer Harper e, a única sobrevivente do assassino que usa a viagem no tempo para fugir. Apesar dos conselhos da mãe – e todos os outros – Kirby sabe que não conseguirá seguir em frente com sua vida a não ser que a justiça seja feita. O caso já não tem novidades há muito tempo e, assim, quando a polícia já sequer a recebe e ignora seus telefonemas, ela decide usar seus próprios meios para investigar seu próprio caso de homicídio tentativa de homicídio. É assim que Kirby conhece o ex-repórter investigador Dan e passa a trabalhar como sua estagiária, para ter acesso aos arquivos do jornal e, logo, ganha um aliado poderoso na busca pelo criminoso. Enquanto isso, Harper viaja no tempo, encontrando suas garotas iluminadas (daí o shining girls) e assassinando a cada uma com cada vez um toque a mais de crueldade. Será que Kirby irá encontrá-lo? Ou melhor, sobreviver novamente, quando Harper descobrir que ela está viva e à sua procura?

“Porque este é o problema com a morte, seja um assassinato, um ataque cardíaco ou um acidente de carro: a vida continua.” p. 160

Iluminadas passa por narrativas distintas: o ponto de vista de Harper, o assassino e o ponto de vista de suas vítimas, o que dá um excelente panorama do que está acontecendo na trama. Mas, a parte mais interessante disso tudo é como a viagem temporal faz com que a história, que segue a cronologia de atos realizados pelo assassino, não siga uma cronologia temporária idêntica no tempo. Por exemplo, saímos da década de 70 e pulamos para a década de 30, sendo que isso, meus caros, faz total sentido durante a história.

“Veneno partilhado é veneno pela metade. Ou talvez acabe envenenando todo mundo do mesmo jeito.” p. 165.

O jogo inteligente que envolve a viagem no tempo é tão bem descrito pela autora que, além de lhe revelar as informações primordiais, lhe deixa sempre com alguma dúvida. Você sabe exatamente o que aconteceu e, de todo modo, precisa ler mais e mais para ver, o porque e o como aconteceu. E, geralmente, há grandes janelas temporais entre estes fatos.

“Talvez a morte condense tudo, torne as pessoas babacas e egoístas, ainda que se sintam feridas e solitárias por dentro.” p. 225.

Além disso, a questão temporal, que, geralmente envolve máquinas míticas, uma dose de magia ou loucura, no livro, é tida de modo tão precioso que, além de ser praticamente um personagem do livro – na verdade a casa é sim uma personagem da história -, parece absurdamente real. Como se qualquer um pudesse viajar no tempo, ou que fosse algo totalmente provável e factível.

“- Uma rede de segurança. Uma espécie de consolo. Viver pode ser algo muito solitário. Mas a vida segue seu curso. Foi incrível enquanto durou. Mas tudo tem seu fim. A vida. O amor. Tudo isso… – Ela faz um gesto vago com a mão na direção das caixas de papelão. – A tristeza também. Embora seja mais difícil se livrar dela do que da alegria.” p. 256.

Sobre os personagens, estes, eu tiro o chapéu para a autora. Kirby é simplesmente fantástica, cheia de nuances, sentimentos e ações que, juntas, formam uma pessoa, cheia de qualidade e defeitos, como todos somos. E, por essa exata razão, ela tem carisma. Você torce por ela, você se entristece e se revolta com e por ela. E, por mais que eu aprecie o trabalho de Beukes com a nossa mocinha Kirby (e também com sua mãe Rachel e o repórter Dan), eu devo dizer que os aplausos soam mais altos quando se trata de Harper, o assassino.

“- Está tudo bem, meu amor. Este é o grande segredo, você não sabe? Todo mundo tem medo. O tempo todo.” p. 260.

Calma, já explico. Eu não adoro assassinos ou qualquer coisa do gênero. A questão é que, o modo de construção do personagem de Harper é simplesmente fenomenal. Pode-se dizer que ele é um personagem que ficamos satisfeitos em odiar. É baixo, frio, vil, repudiável e tantos outros adjetivos que eu poderia passar o dia descrevendo. Trocando em miúdos, é um assassino pelo qual desejamos que a justiça seja feita. Repudiamos seus atos a ponto de repudiarmos o próprio autor e, querendo ou não, é um bom ponto a ser levantado em uma época em que tantos ‘vilões’ são glamourizados para que se tornem os protagonistas das histórias e que todos os amem, ainda que sejam, de fato, criminosos.

“Os padrões existem porque procuramos encontrá-los. Uma tentativa desesperada de ordem, pois não podemos encarar o terror de que tudo seja aleatório.” p. 262.

A leitura do livro foi super rápida e flui muito bem, além de ser repleta de conversas inteligentes e quotes ótimas que coloquei aqui nas imagens. A capa do livro é linda. Gostei mais do que de uma das versões gringas (acho que a original, que tem o título ‘The Shining Girls’ tem uma garota desenhada), o minimalismo da capa me rendeu grande admiração e, a colocação das letras como se estivessem em chamas deu um toque especial.

Assim, na Reclassificação de Livros, Iluminadas é do tipo que ‘leio até mesmo de pé esperando o ônibus‘.

E você, já leu Iluminadas ou conhecia o título?

xoxo

Ouvindo: Tiziano Ferro – Imbranato

  • Ju Fischer

    Em 22.01.2017

    Estou doida pra ler esse. Se animar um troca temporária de livros na quinta, tenho uns bem legais pr te emprestar aqui 😉

  • Ju Fischer

    Em 22.01.2017

    Estou doida pra ler esse. Se animar um troca temporária de livros na quinta, tenho uns bem legais pra te emprestar aqui 😉

  • Renata Souza

    Em 22.01.2017

    Nossa ja tinha visto esse livro e não dava nada por ele, agora após sua resenha quero fazer essa leitura. =/
    Vou adiciona -lo á minha enorme lista e torcer para conseguir lê-lo
    Adorei a resenha e suas fotos ficaram magníficas.
    Beijuh

  • Ge Benjamim

    Em 22.01.2017

    Gostei bastante da capa, bem enigmática e pela sua resenha, fiquei super interessada na leitura. Acho que vou adicionar a minha listinha. <3

  • Naty

    Em 22.01.2017

    Olá! Ainda não conhecia esse livro, mas fiquei super interessada por ele, principalmente por ter capítulos de ponto de vista do assassino!
    Adoro livros com essas temáticas mais pesadas!
    Vou procurar pra ler!
    beijos!

  • Nathália Letícia Trindade

    Em 22.01.2017

    Amei a resenha, amei a capa, amei as fotos, amei o pisca-pisca, amei tudo, rsrsrs… Louca para ter esse livro!

  • Luana

    Em 22.01.2017

    Amei o livro e admito que eu o estava namorando faz tempo e a sua resenha foi o empurrão que eu precisava, hahaha.
    Adorei o seu blog <3

  • Bruna Morgan

    Em 22.01.2017

    Uau, viagem no tempo e assassinato? Quero muito ler huahuahua

  • joao teixeira

    Em 22.01.2017

    Vou adicionar à minha lista! Gostei muito da resenha

  • Dayane Farias

    Em 22.01.2017

    Oi Rê, tudo bem? 🙂

    Nunca tinha ouvido falar muito desse livro, acho que nunca tinha me interessado o bastante pra procurar saber mais sabe?
    Me arrependi muito disso agora! haha’
    Já faz um empo que tenho procurado um livro assim; rico! Com uma história bem desenvolvida ao redor de um mistério personagens acreditáveis. Amo quando os livros me fazem devorá-los e sinto que a leitura de Iluminadas seria desse jeitinho, tô morrendo de vontade de ler! *-*

    Tenho que dedicar um parágrafo desse comentário pra dizer; que resenha incrível! Sério! Muito gosto sa de ler, bem escrita, apontando coisas interessantes sem deixar as emoções da leitura de lado… amei sua resenha e aceito dicas para escrever algo assim tá?! haha’

    Beijos ;*
    ❤ Letras Eternas

  • Rayanni Kellsin

    Em 22.01.2017

    Olá, tudo bem?
    Uau, que resenha mais repleta de detalhes, amei a premissa do livro, não o conhecia, mas fiquei bem curiosa, dica anotada!
    A escrita parece que flui muito bem, espero ter a oportunidade de ler em breve.
    Um beijo.

  • Hoje é dia de livro

    Em 22.01.2017

    Super interessante o tema abordado na história! Com certeza irei ler, até porque esse tipo de gênero é um dos meus preferidos! Adorei a resenha, parabéns!

    Beijos

  • O Oculto

    Em 22.01.2017

    Excelente imagens,, adoro trilhers, mas se tiver muita coisa em aberto eu realmente ficarei frustado e curioso rsrs .
    Não consigo nao me atrair por livros com possiveis finais em aberto não
    hahahha.

  • Danielly Martins

    Em 22.01.2017

    Nossa, curti bastante o livro e a história parece ser muito boa.
    Além disso, a capa dele é linda e as fotos ficaram ótimas.

  • Eduarda

    Em 22.01.2017

    MEU DEUS! Que resenha mais incentivadora! Eu li um livro uma única vez com um gênero (um pouco) parecido, e ameeei! Ultimamente eu venho experimentando novos gêneros, mas enfim.. Eu já tô querendo muuuito esse livro! Pula tooodos os livros da wish que esse vai para o primeiro lugar! Sério, a sua resenha está muito incentivadora. Maravilhosa! Parabéns! Bjos, Blog Marinspira

  • Síntese Nerd

    Em 22.01.2017

    Nossa! Fiquei com muita vontade de ler! Parece o tipo de livro que a gente não larga até terminar.

%d blogueiros gostam disto: