Conto ♥ Stubborn Love

Em 28.07.2017   Arquivado em Contos

Leia ouvindo Stubborn Love, dos The Lumineers

É como um relógio, todas as peças precisam estar funcionando para que ele consiga marcar as horas. Se um pequeno elo se rompe, se o dente de uma engrenagem se desgasta mais que os demais, o ciclo natural do andar das horas é comprometido. Se atrasa. As horas correm em tempo distinto ao que deveriam.

O que é o tempo, afinal de contas? Mera convenção social. Arcaica, retrógrada. Feita para delimitar os afazeres, prender as etapas da vida. Contar o que não deveria ser contado.

– Está fugindo do tema, Helena.

– Estou? – Ela assente.

– Sim, tem visto seu marido?

– A expressão ‘tem visto’ é um pouco vaga. O que exatamente quer dizer com isso? (mais…)

Conto ♥ A Cup of Tea

Em 21.05.2017   Arquivado em Contos

Leia ouvindo Free As A Bird – The Beatles

Uma caneca de chá, não. Xícara ou copo. Também não. Gosto na caneca. Então talvez fosse melhor ‘a mug of tea’. Você também pensa com frequência em uma língua que não a sua materna? Aquela que adotou em seus pensamentos como se também fosse fluida em sua mente e que, em alguns momentos, reflete muito mais do que se pode expressar? Escrevo ideias inteiras, pensamentos fragmentados ou não, misturando o melhor de cada língua e, por isso, vez por outra, elas se unem como se fossem uma coisa só. Ou, melhor assumindo, com frequência.

Escrevo a cada suspiro. A cada despertar. A vida é escrita a cada passo e cada passo reflete quem eu sou. É na melodia que ressoa em meus ouvidos em ritmo lento enquanto o mundo gira sem parar ao meu redor.

E se paro, ele corre e eu estagno. Se corro, ele viaja na velocidade da luz.

O caminho é sempre o mesmo, ainda que, de um modo ou de outro, ele seja diferente todos os dias. Nunca estaremos no exato lugar em que já estivemos.

E tudo ao redor é barulho e ruídos. Cheio de burburinhos e lamentos e bipes e sinos e palavras e mais suspiros. Muitas palavras. Palavras em demasia.

– Um, por favor. – O copo está quente e queima a ponta de meus dedos, fazendo com que meus passos até a mesa mais afastada do estabelecimento sejam mais rápidos. (mais…)

Achados & Perdidos

Em 12.04.2017   Arquivado em Achados & Perdidos, Projetos

Bom dia, tarde e noite folks!

Achados Que O Mundo Precisa Saber’ é o tema da postagem de hoje, inspirada nos desafios dos grupos de interação que participo, Café com Blog e Interative-se. Com base no desafio, devemos mostrar filmes / séries / documentários / livros / músicas / matérias que o mundo precisa saber, mas que não possuem grande visibilidade.

E, como achei a ideia mega legal, com o plus de ser uma forma de trazer um pouco de conteúdo diferente aqui pro blog e, ao mesmo tempo, dar dicas condizentes com meus gostos loucos, resolvi que essa será uma sessão permanente – a ‘Achados e Perdidos‘, com um post mensal (pensando na segunda quarta-feira do mês, já que as postagens aqui foram reajustadas para as segundas, quartas e sextas… rs), incluindo as coisas que eu tiver para compartilhar do mês anterior. Dessa vez, vou falar de algumas coisas que já passaram aqui no blog e outras que ainda não passaram. (mais…)

Conto ♥ Último Beijo

Em 28.03.2017   Arquivado em Contos

Sugestão de música para leitura: Pearl Jam – Last Kiss

– Luizaaa!!! – Ouço meu nome sendo gritado e olho na direção em que suponho estar sendo chamada.

Mila me encara furiosa do outro lado do corredor. Retiro o fone da cabeça, antes de me dar ao trabalho de falar com ela. Irmãs de onze anos são insuportáveis.

– O que é Mila?

– Estou há horas te chamando, Lu! É importante.

Respiro fundo. Claro que é importante, sempre é quando se tem onze anos. Me levanto e minha cabeça lateja, parece que há abelhas a ferroando e minha visão fica turva. Fecho os olhos por um instante e tudo volta a ter foco.

– O que é, Mila? – Pergunto, já mal-humorada.

– Ah, deixa para lá. – Ela dá de ombros e entra no próprio quarto, batendo a porta.

Ótimo. Menos uma coisa para me preocupar. Meu celular vibra no meu bolso novamente.

‘Estou saindo daqui!!!

A empolgação de Pedro podia me contagiar, mas com tudo que parece estar por vir, eu simplesmente não sei o que fazer, o que dizer. (mais…)

Outra noite qualquer…

Em 30.11.2016   Arquivado em Contos

outra-noite-qualquer

Ao redor, o pio da coruja é o único som que reverbera pela noite junto ao farfalhar do vento na copa das árvores.

Tudo o mais está parado, pacífico. Nenhuma alma viva à espreita, nenhum ser a volta.

Os passos dos meus pés na corrida são abafados pelo amortecedor do tênis. São praticamente imperceptíveis.

Minha respiração já está acelerada, mas nada fora do normal. Mantenho o ritmo de sempre com o calor do exercício se espalhando por todo meu corpo e a batida compassada do meu coração fazendo coro a melodia de Owl City.

O céu mostra sinais da tempestade que está por vir, mas nada que não faça jus à esta época do ano.

(mais…)