Resenhas

E Se Fosse A Gente? ♥ Becky Albertalli e Adam Silvera

E Se Fosse A Gente?
Becky Albertalli & Adam Silvera
Intrínseca
“Tenho certeza de que é o destino agindo. Como se tivéssemos que nos conhecer, depois nos perder um do outro e voltar a nos encontrar. Então esse encontro tem que ser extraordinário. Esse encontro precisa de caças ao tesouro e passeios de carruagem e fogos de artifício e rodas-gigantes.”

Sobre os Autores

Becky Albertalli é psicóloga, o que lhe proporcionou o privilégio de trabalhar com muitos adolescentes inteligentes, estranhos e irresistíveis, e por sete anos foi orientadora de um grupo de apoio em Washington para crianças com não conformidade de gênero. Mora em Atlanta com o marido e os dois filhos. Simon vs. a agenda Homo Sapiens é seu primeiro livro.

Adam Silvera nasceu e cresceu no Bronx. Ele era livreiro antes de entrar no ramo editorial infantojuvenil, e já trabalhou em uma empresa de desenvolvimento literário, um website de escrita criativa para adolescentes e como crítico de romances infantojuvenis e de jovens adultos. Ele é alto, por nenhum motivo aparente, e mora na cidade de Nova York.

Sinopse

Em E se fosse a gente?, Becky Albertalli se une ao escritor Adam Silvera para narrar o encontro de dois garotos que não poderiam estar em momentos mais diferentes da vida, mas que vão desafiar os poderes do universo para ficarem juntos.

De férias em Nova York, Arthur está determinado a viver uma aventura digna de um musical da Broadway antes de voltar para casa. Já Ben acabou de terminar seu primeiro relacionamento, e tudo o que mais quer é se livrar da caixa com todas as lembranças do ex-namorado.

Quando eles se conhecem em uma agência dos correios, parece que o universo está mandando um recado claro. Bem, talvez não tão claro assim, já que os dois acabam tomando rumos diferentes sem ao menos saberem o nome ou telefone um do outro.

Em meio a encontros e desencontros — sempre embalados por referências a musicais e à cultura pop ¬—, Ben e Arthur se perguntam: e se a vida não for como os musicais da Broadway e os dois não estiverem destinados a ficarem juntos? Mas e se estiverem? Aos poucos, eles percebem que às vezes as coisas não precisam ser perfeitas para darem certo e que os planos do universo podem ser mais surpreendentes do que eles imaginam.

E Se Fosse A Gente?

A pergunta do título do livro paira junto ao ar elétrico de Nova York. Mais especificadamente, colocando dois jovens numa agência dos Correios no mesmo momento. Uma conexão que só pode ser explicada pelo acaso promovido pelo próprio Universo. Um momento digno de um show da Broadway. Um momento que irá mudar a vida de Ben e Arthur e, sem dúvidas, fazer com que qualquer leitor acredite no acaso, no Universo ou na magia que corre as ruas cinzentas de Nova York.

Arthur deveria estar indo buscar um café para o pessoal do escritório em que está fazendo um estágio de férias. Estar em Nova York não corresponde exatamente à sua ideia de verão ideal, já que está longe de seus amigos, longe de sua casa na Geórgia. Para completar, ainda têm o atrito constante entre seus pais, por causa do desemprego de seu pai que parece uma erva daninha a corroer o relacionamento familiar. Isso até que ele encontra um rapaz de nome desconhecido numa agência do Correio. Isso até que seu coração bata desenfreado. Até que o garoto desapareça junto à um show de flash mob. Seria ele apenas parte daquilo tudo ou o universo está realmente lhe mandando uma mensagem?

Ben só quer uma coisa: se livrar daquela caixa. Talvez um pouco mais, na verdade, já que estar de recuperação com seu ex namorado é, sem dúvidas, algo que irá conseguir deixar os dias de detenção ainda piores. Ele preferia muito mais estar em casa, jogando The Sims e escrevendo A Saga do Mago XXX. Saindo com seu melhor amigo Dylan, vez por outra. Isso sim seria a definição de verão perfeito. Mas então, ele resolve mandar a caixa do término pelos Correios. E daí, aquele garoto. Ele não deveria estar pensando em garotos tão cedo, deveria? E ainda por cima um que usa uma gravata de cachorro quente. Mas então, por que será que Arthur não sai da sua cabeça?

E Se Fosse A Gente? é sobre a procura. De um pelo outro, da expectativa de reencontro. Da possibilidade de ver que as coisas nem sempre são do jeito que imaginamos, mas que isso não as faz menos importantes ou marcantes em nossas vidas. É a ideia de que existindo ou não destino, as pessoas têm sim sua parcela no curso de suas vidas. São decisões, das mais corriqueiras às mais complexas, que nos levam a determinado lugar, a determinada hora. Que nos levam a conhecer ou não alguém. E, quem sabe, a se apaixonar ou não por alguém.

O livro segue intercalando as narrativas de Arthur e Ben, de um modo que é possível sempre conhecer os dois lados da história, o que têm acontecido com cada um desde aquele dia dos correios. Ambas as narrativas são fluidas, mas confesso que tenho certa preferência pela de Arthur, que é escrito pela Becky Albertalli (esse é o quarto livro da autora que leio), sendo Ben escrito por Adam Silvera (meu primeiro contato com a escrita dele). Apesar da minha preferência, os estilos dos escritores se mesclam bem, funcionam como complementares e fazem a história seguir num ritmo coerente.

O foco em E Se Fosse A Gente? é todo do romance, o que fez achar que em alguns momentos a história poderia ter sido um pouco mais ágil e ter a impressão que alguns acontecimentos foram colocados apenas como justificativas de um caminho que os escritores pretendiam que a história seguisse. Mas, fora isso, o romance têm aquele teor já conhecido dos romances da Becky: um alto grau de fofura, que sempre irá mesclar temas importantes, como primeira vez, relacionamentos (amizade, amor e tudo o mais), responsabilidade e amadurecimento.

Os personagens passam por dias doces e tribulados durante o verão e precisam descobrir se o que construíram, se o que possuem é forte o suficiente para sobreviver ao fim das férias e à distância, já que Arthur irá voltar para a Geórgia. São muitos questionamentos que pairam sobre o relacionamento de Arthur e Ben e, ao mesmo tempo, cada um tem seus outros próprios universos entre família e amigos, que precisam de atenção. Afinal, a vida não para quando se começa um relacionamento novo. O universo está sempre trabalhando e essa é uma das discussões mais legais que o livro traz. Essa questão de saber balancear a vida para que as pessoas importantes para você não fiquem de fora quando outras surgirem.

E Se Fosse A Gente? é uma história para acreditar que podemos ter quantas primeiras vezes quisermos, que devemos deixar o universo fazer o trabalho dele, mas que não podemos nos esquecer de que o que depende de nós, nem o universo dá conta sozinho. E, claro, se houverem tickets para um musical da Broadway, é bom saber aproveitar o show, seja ele como for!

Aleatoriedades
  • Essa leitura super especial foi feita em parceria com a Editora Intrínseca (obrigada pelo livro!) e para o evento de Encontro de Fãs da Becky Albertalli que rolou no dia 27/07 e que tive o prazer de realizar junto ao blog Coisas de Mineira e a Leitura Shopping Cidade de Beagá.
  • Esse foi meu quarto contato com a escrita da Becky Albertalli e, apesar de não ser o livro favorito, é muito legal notar como ela mantém o estilo e leveza das histórias, mesmo escrevendo em parceria com outro autor. Os outros livros dela já lidos e resenhados por aqui são: Com Amor, Simon; Os 27 Crushes de Molly e Leah Fora de Sintonia.
E Se Fosse a Gente? está disponível na Amazon e, comprando pelo link do Retipatia, você ajuda o blog, sem gastar mais nada com isso!

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Retipatia

9 Comments

  1. Fotos lindaaaas eu gosto muito quando o livro é intercalado entre os personagens, tenho a sensação que posso conhecer mais um pouco eles. Não li nenhum livro das autoras, mas irei procurar❤
    (@Companhia_literaria)

    1. Oi Auane!
      Ah obrigada, feliz que tenha gostado! Também acho que a história de dois pontos de vista ajuda muito a conhecer os dois lados e ambos os personagens! Super recomendo os livros da Becky, do Adam ainda não li outros! 🙂
      Obrigada pela visita!
      xoxo

      1. Júlia says:

        Amei a resenha já vou adicionar a minha lista de leituras❤️
        (@juuh_yonaha)

        1. Oi Júlia!
          Ah feliz que tenha gostado, vale sim a leitura! <3
          Obrigada pela visita!
          xoxo

    2. Júlia says:

      Amei a sua resenha e confesso que eu estou curiosa sobre esse livro, já vou adicionar na minha lista de leitura ❤️
      (@juuh_yonaha)

  2. Minha filhas esta louca nesse livro, pela sua resenha tb fiquei com vontade de ler.Parece ser divertido mas ao mesmo tempo tem aquele quê de refletir até onde o destino realmente interfere na vida da gente.

    1. Oi Tatiane!
      Ah com certeza ela vai adorar o livro, é uma leitura leve e com uma história muito fofa e cheia de mensagens importantes! <3
      Obrigada pela visita!
      xoxo

  3. Gabriele Baptista says:

    não é o tipo de leitura q eu faço mas gostaria de sair da minha zona de conforto!

    @gabbie3115

    1. Oi Gabriele!
      Ah vale muito a pena sair da zona de conforto por essa leitura! 🙂
      Obrigada pela visita!
      xoxo

Repense, renove, rediscuta...