Big Rock ♥ Lauren Blakely

Em 12.11.2018   Arquivado em Resenhas

Um anel de noivado. Não, um grande anel de noivado. Com o único detalhe de que tudo não passa de um faz de conta entre Spencer e sua melhor amiga Charlotte.

Big Rock

Autora Lauren Blakely

Faro Editorial

“Se um dos dois precisar de um falso namoro para se safar elegantemente de uma situação desagradável, o outro deve se aproximar e desempenhar seu papel. Temos esse trato desde os tempos de faculdade e ele funciona que é uma beleza. Funciona ainda melhor porque Charlotte e eu jamais teríamos um relacionamento amoroso.”

Sobre a Autora

Lauren Blakely vie na Califórnia com sua família e teve a inspiração para cada uma de suas histórias enquando passeava com seus cachorros. É reconhecida pelo seu estilo de romance contemporâneo: quente, romântico e divertido. Com catorze best-sellers, seus títulos aparecem no topo das listas do The New York Times e do USA Today e já venderam mais de 1,5 milhão de exemplares.

Sinopse

A maioria dos homens não entendem as mulheres.

Spencer Holiday sabe disso. E ele também sabe do que as mulheres gostam.

E não pense você que se trata só de mais um playboy conquistador. Tá, ok, ele é um playboy conquistador, mas ele não sacaneia as mulheres, apenas dá aquilo que elas querem, sem mentiras, sem criar falsas expectativas. “A vida é assim, sempre como uma troca, certo?”

Quer dizer, a vida ERA assim.

Agora que seu pai está envolvido na venda multimilionária dos negócios da família, ele tem de mudar. Spencer precisa largar sua vida de playboy e mulherengo e parecer um empresário de sucesso, recatado, de boa família, sem um passado – ou um presente – comprometedor… pelo menos durante esse processo.

Tentando agradar o futuro comprador da rede de joalherias da família, o antiquado sr. Offerman, ele fala demais e acaba se envolvendo numa confusão. E agora a sua sócia terá que fingir ser sua noiva, até que esse contrato seja assinado. O problema é que ele nunca olhou para Charlotte dessa maneira – e talvez por isso eles sejam os melhores amigos e sócios. Nunca tinha olhado… até agora.

Big Rock

Spencer poderia ser facilmente chamado de Casanova, não apenas por ser um verdadeiro mulherengo, mas pela autoestima que se mantém nas alturas. Só que ele precisa guardar sua artilharia por um tempo, já que seu pai pretende vender sua rede de lojas e o comprador é alguém que preza muito por uma vida social bem mais casta do que a que Spencer leva.

E é por isso que ele convence sua melhor amiga e sócia, Charlotte, a fingir ser sua noiva até que seu pai consiga fechar o negócio. O que também vem a calhar para ela, que está tentando se livrar de um ex inconveniente.

“Nosso acordo é brilhante também por esse motivo: nós sabemos que nunca seremos mais do que amigos.”

Tudo seguia às mil maravilhas até que eles se entregam ao furor da paixão e combinam que, enquanto estiverem fingindo, está tudo bem aproveitar e fazer sexo sem compromisso. Mas é claro que os sentimentos que eles sequer imaginavam que existia acabam florescendo e todo o esquema fica por um fio.

Romance? Check. Clichê? Check. Previsível? Check. Recomendo a leitura? Check!

É claro que, só de ler a sinopse já se imagina uma história clichê e cheia dos detalhes que toda receita de bolo para um bom romance contém. Mas tem também um dos quesitos mais importantes: química entre os personagens, que são cativantes e, claro, uma narrativa que justifica ler uma simples receita de bolo, no fim das contas.

“Ela está simplesmente arrasando! É a noiva de mentira feita sob medida para mim.”

Big Rock é exatamente assim, por mais que tudo que aconteça seja esperado, é uma leitura tão leve, tão engraçada e contagiante, que além de ser um ótimo antídoto para ressacas literárias, é o tipo de passatempo que te dá vontade de completar em uma única lida.

Em capítulos curtos, vamos conhecendo a história em primeira pessoa, sempre pelo ponto de vista de Spencer e isso, sem dúvidas, ajuda no tom cômico e na descontração que a história segue, já que essas são qualidades do próprio personagem.

“Meu coração tropeça tentando correr para se manter próximo ao dela. Alguma coisa está acontecendo. Alguma coisa estranha, completamente desconhecida. Meu coração está falando uma língua que eu não compreendo, enquanto tenta me arrastar para Charlotte. Era só o que me faltava. Agora, em vez de lutar contra um órgão todo santo dia, vou ter de lutar contra dois.”

Charlotte é um turbilhão à parte, tanto meiga quanto intensa, é decidida e, mesmo antes de Spencer, sabe bem o que quer e porquê. E claro, ela não gosta das balas verdes de gelatina que não são feitas de gelatina, mas pode sempre contar com seu melhor amigo para resolver esse outros pequenos entraves.

Sem contar que, além de já dar para perceber pequenas deixas para as outras histórias da série, a autora conseguiu criar um pano de fundo consistente para a história e nada pareceu forçado ou sem sentido, por mais louco que um noivado de mentira possa soar.

Para quem curte histórias divertidas, leves e hot, Big Rock com certeza é a melhor pedida, é o melhor romance erótico que já li!

“Sabe, tem uma coisa que eu não entendo: se já conseguiram até enviar o homem à lua, como não são capazes de remover as balas verdes do pacote?”

Aleatoriedades

  • A leitura de Big Rock foi feita em conjunto com minhas lindas Má do Resenhando por Marina e Kaka d’O Reino das Páginas, é só clicar nos nomes dos blogs para conferir as resenhas delas!
  • Big Rock é o primeiro livro de uma série, que é seguida de: Mister O, Well Hung, Full Package, Joy Ride, Hard Wood e um prequel A Little Big Rock. No Brasil a Faro já lançou Big Rock, Mister O e Bem Safado.
  • Tentei fazer as fotos pra essa resenha há um tempo e não deu certo porque o tempo estava péssimo. Fiz nesse fim de  semana e acabou que até foi melhor, da primeira vez eu tinha esquecido de comprar as balas de ursinho… rsrsrs

Que a Força esteja com vocês!

Ouvindo: Hollaback Girl – Gwen Stefani (only in my mind…)

  • Lunna

    Em 12.11.2018

    Well, well well… eu sou aquela que tem enorme preguiça com best sellers, essa invenção americana de ser. E um bocadito mais de preguiça quando se revela que é uma escrita sobre amor e amizade. Encho o pulmão de ar e penso: vamos em frente. Mas fiquei em dúvida no seu check no recomendo a leitura… Confesso que eu fiquei esperando um check meio esbranquiçado. rá
    O problema é que essa aqui que vos escreve, não lê receitas de bolo. Ui… sou aquela que gosta de ter ingredientes à mão e testá-lo… inclusive, mudei o jeito de fazer boloso recentemente. Dispensei a batedeira e voltoi a usar as mãos, as vasilhas e descobri que a nonna tinha razão. Faz toda a diferença. rs

    E quanto li que a história vem através do olhar de Spencer, pensei em sua história e no medo que eu tenho quando mulheres escrevem a partir do ponto de vista do homem, só não é pior quando homens resolvem assumir o personagem feminino. Ai eu sinto terror, mesmo. rs

    Enfim, não é para mim e eu estou em dívida com o seu blogue, mas esse mês de novembro está a consumir minhas horas de vida. Editar três livros dá algum trabalho. Vamos em frente, que daqui é dia 24.

    Bacio

  • Dai Castro

    Em 12.11.2018

    Confesso que passo longe de histórias desse tipo Rê… principalmente por ser essa receita de bolo haha
    Mas acho que todo gênero literário acaba tendo seus clichês e se os personagens e a história é construída de uma forma mais interessante, o livro pode acabar se destacando e agradando a maior parte dos leitores que curtem esse estilo.
    Achei legal você inserir as balas de gelatina nas fotos, fazendo referência a história do livro!
    Um beijo
    Colorindo Nuvens

  • Juliana Sales

    Em 12.11.2018

    Quando cheguei nesse trecho aqui, achei que você estava lendo meus pensamentos:
    Romance? Check. Clichê? Check. Previsível? Check.
    Ou seja: não é para mim. Já não sou muito de ler livros de romance, dificilmente a história desperta meu interesse. Sendo clichê e previsível então, aí é que eu passo longe! rs
    Livros de romance em geral me chamam tão pouco a atenção que eu nunca tinha ouvido falar dessa autora, mesmo você dizendo que ela já tem 14 best-sellers! Enfim, não é uma história que me dê vontade de ler.

  • Luana Souza

    Em 12.11.2018

    Minhas amigas vivem falando para eu ler mais livros assim, mas acho que não tenho pique não hahaha. Hot só se for fanfic de Crepúsculo… brincadeira! Tem alguns que eu gosto, mas eu tenho consciência de que não será aquele livro que memorável pra mim daqui um tempo. A história desse parece ser leve, e às vezes a gente precisa de umas leituras assim. Mas, aaaa, tão clichê!
    Em fim, não sei se vou acabar lendo algum dia. Sua resenha está maravilhosa, assim como as fotos. Fiquei curiosa pra saber mais sobre as balas.
    beijos :*

  • Ana Claudia de Angelo

    Em 12.11.2018

    Cara, amei! Como gosto de passar por aqui e de pegar boas dicas! Já estava com saudades! Essa parece ótima! Já havia visto alguns posts sobre esse livro nos instagrans da vida! rsrs! Nunca li nada dessa autora, mas tenho vontade! Talvez começar por Big Rock seria uma boa, não acha! 😉
    Beijos!

  • Patricia Monteiro

    Em 12.11.2018

    Livros de romance não são a minha primeira escolha literária, mas confesso que não desgosto. Às vezes é bom ler algo mais leve, romântico e esse me parece ser muito agradável. Uma história descontraída com personagens carismáticos, gostei da sugestão.

  • Cilene Mansini

    Em 12.11.2018

    Cê sabe, eu até gosto desse tipo de livro de vez em quando. Prefiro livros que tem mais emoção, tipo os Thriller de suspense, policial.
    Mas quando quero relaxar a mente e não ficar sonhando com o assassino enquanto durmo gosto de ler algo mais suave e engraçado, por mais previsível que seja.
    Acredito que um livro bem escrito, até os previsíveis trazem coisas interessantes.


CAPTCHA Image
Reload Image
%d blogueiros gostam disto: