O Inverno dos Escritores Mortos ♥ Miller Britto

Em 29.08.2018   Arquivado em Resenhas

Um escritor mata um personagem de maneira cruel, nada mais justo do que experimentar do seu próprio veneno, não é mesmo? Ou é pelo menos assim que o serial killer de O Inverno dos Escritores Mortos pensa.

O Inverno dos Escritores Mortos – Série Detetive Borzagli

Autor Miller Britto

Publicação Independente

“A crueldade dos homens, que até então apenas arranhava a superfície de sua psique, penetrou fundo em sua alma.”

Sobre o Autor

Miller Britto nasceu em Nova Lima em 1986. Lugar que ama e onde reside com a esposa e o filho. A paixão pela Literatura policial e de suspense começou no exato instante em que lei a primeira página de “O Caso dos Dez Negrinhos de Ágatha Christie”.

Sinopse

Os detetives Fred e Elis estão diante do caso mais desafiador de suas carreiras. Inicia-se a caçada a um psicopata que mata escritores da mesma forma que eles matam seus personagens. O metódico assassino demonstra habilidade e inteligência acima da média, enquanto aumenta a contagem de mortos sem deixar uma pista sequer.

Fred precisa não apenas lidar com a pressão do trabalho, mas também com os fantasmas que gritam em sua mente, assolando sua sanidade desde o sequestro de seu filho, que segue desaparecido há dois anos. Como se estes fardos não fossem pesados o suficientes, o detetive Borzagli carrega um segredo que afetará todos à sua volta, inclusive a investigação e seu futuro como policial.

Em “O Inverno dos Escritores Mortos”, Miller Britto desafia o leitor a seguir as pistas, conduzindo-o por uma trama de mentiras e segredos funestos, que culminarão em um dos finais mais inimagináveis da história da ficção policial brasileira.

O Inverno dos Escritores Mortos

As horas do detetive Fred Borzagli estão contadas, mas, esse é um dos seus últimos pensamentos. O que passa como imagens repetidas em sua cabeça é o esfacelamento de seu casamento que, desde o desaparecimento de seu filho Gabriel, se tornou uma relação insustentável. Como se isso não fosse o bastante, ele ainda trabalha ao lado da bela e competente detetive Elis, por quem nutre sentimentos amorosos.

O primeiro caso os leva à cena grotesca descrita por uma famosa autora em um de seus best-seller, cena esta que o assassino repetiu com primazia.

“Uma nova vítima representa outra chance de encontrarmos pistas.
Seria uma nova morte um mal necessário?”

Enquanto isso, somos levados a aconchegante livraria e cafeteria onde Luís e seus amigos, Bárbara, Pedro, Fernanda e Bernardo reúnem seu grupo de leitura e, claro, acabam falando dos crimes que vêm acontecendo.

A partir daí, os assassinatos continuam, mais corpos são encontrados e a assinatura indica que é o mesmo malfeitor a atuar: o trecho do livro é sempre escrito à sangue na parede do local do crime.

Os detetives passam a buscar pistas e acabam em um beco sem saída, até receberem uma denúncia que pode mudar o jogo. O único detalhe é que nada nesse caso é o que aparenta e o assassino está sempre passos à frente do que eles imaginam.

Com uma narrativa ágil, o autor conseguiu apresentar bem os vários personagens que surgem na trama e, claro, transformar praticamente todos eles em potenciais assassinos, dificultando o trabalho investigativo dos detetives e, evidentemente, do leitor.

Além da brilhante ideia dos assassinatos inspirados nas cenas que os próprios autores escreveram (qual escritor não vai parar para pensar em como aniquila a vida de seus personagens depois dessa, não é mesmo!?), ele nos entrega filetes de pistas, algumas inócuas, outras, que, no fim, se mostram verdadeiras e perspicazes. Somos direcionados ao erro e, apesar de minhas habilidades de Sherlock Holmes, apenas quando o assassino desenhou seu nome em letras garrafais foi que eu (e os detetives, diga-se de passagem), entendemos o recado.

“Quanta petulância e arrogância são necessárias para que eles possam escrever sobre algo que nunca experimentaram? Como podem descrever a dor, sem nunca tê-la sentido?”

E, ainda que não seja um livro grande, em suas 287 páginas, o autor consegue apresentar mais elementos que irão mostrar com mais detalhes a vida do próprio Detetive Fred Borzagli, que dá nome a série, e nos introduz elementos surpresas que são desvendados ao longo do livro junto com a investigação que nos faz virar as páginas com curiosidade.

Se a leitura traz o desafio de descobrir quem é o assassino, sem dúvidas não deixa nada a desejar no quesito desafiar. Conhecer a mente das pessoas pode mostrar bem mais do que se gostaria de saber de cada indivíduo, detalhes tão profundos que poderiam revelar o potencial serial killer que existe em cada um deles.

Aleatoriedades

  • A leitura do livro foi feita em parceira com o autor Miller Britto a quem agradeço a confiança e oportunidade.
  • Os Funkos aí das fotos estão representando os personagens, vocês terão que ler pra deduzir quem é quem.
  • O livro faz parte de uma série e, posso dizer que a Primavera vem aí, cheia de sangue, digo, flores. Não, é, sangue mesmo… ehehehe
  • Eu comecei a ler o livro e dei uma pausa durante a loucura da bienal, depois, quando voltei a ler, varei a madrugada porque precisava descobrir o assassino e esclarecer todo o balaco baco que estava prestes a rolar! Adoro quando as leituras prendem assim! E vocês?

O Inverno dos Escritores Mortos pode ser adquirido diretamente com o autor em sua loja.

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Assistindo a última Temporada de Desperate Housewives

  • Lunna Guedes

    Em 29.08.2018

    Buongiorno, cara mia.
    Fiquei curiosa com esse livro desde que publicou a foto dele, mas juro que pensei em um sem-fim de coisas (não o pesquisei no google, resolvei esperar) mas não em um romance policial. Já gostei muito do gênero, mas não me lembro de ter lido nada no gênero nos últimos anos. O último que passou perto-longe foi ‘boneco de neve’ que eu li em gotas e sem muito interesse.
    Eu gosto quando os psi usam trechos de romances em suas ações. Castle (um seriado) usou esse argumento no primeiro episódio e me conquistou. Depois ficou uma droga, mas as duas primeiras temporadas foram bem interessantes.
    Meu primeiro escrito foi assim, policianesco, em sala de aula, claro que usei a realidade como fonte de inspiração. Mas não sabia disso naqueles dias. Um crime no final de semana virou notícia e eu comecei a escrever a respeito, com personagens da sala de aula. Um bobagem infantil, inspirada por Agatha e Edgar. ai ai ai
    Ah, eu gostei do detalhe: trechos escritos em sangue nas paredes… e o grupo de leitura. Claro que comecei a imaginar coisas, já que psi sempre encontram um meio de estar no meio da coisa. Já imaginou se um deles… enfim. Parei.

    bacio

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Bom dia, Lunna!
    Acredita que eu antes n]ao havia experimentado tanto assim o gênero policial. De certa forma tenho dado chances à ele por agora e só tive boas experiências. Vi muita gente dividida por esse livro Boneco de Neve e confesso que ainda estou um pouco curiosa sobre ele.
    E eu não tinha paciência alguma para Castle, o personagem principal nunca me convenceu de coisa alguma e eu achava a coisa toda uma verdadeira falácia… rsrsrs
    O máximo que cheguei a divagar sobre uma escrita policial foi numa tentativa que chegou a marcar o papel, mas nada de concluir a história. Aquela coisa que está na cabeça, mas fica só lá. ehehe
    Também gostei muito dos detalhes que foram colocados na história, a forma das mortes, a ligação com o grupo de leitura, os trechos à sangue nas paredes… daria um bom filme! ehehe E recomendo a leitura! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Marcão

    Em 29.08.2018

    Vejo muita gente falando bem desse livro e vendo a sua resenha aqui no blog me interessei mais ainda por esse livro!

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Marcão!
    Feliz que tenha gostado da resenha, vale mesmo a pena a leitura desse livro!
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Alice Pereira

    Em 29.08.2018

    Achei a edição desse livro linda. O carinho e cuidado com o qual foi feito é evidente!

    Fiquei curiosa desde a primeira vez que ele apareceu nas tuas mãos, hahah. O enredo é criativo, parece um livro muito bom e bem construído. Impecável, eu diria, pela forma como envolve o leitor e o torna quase que uma parte da investigação. Gosto quando os autores se aprofundam nos personagens e cenários, dando detalhes, torna tudo vivo e ainda por ser uma trama de suspense deve ser incrível acompanhar todos os passos. Adorei, gosto de ver nacionais se sobressaindo assim, dá um orgulhinho rs

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Alice!
    Sim! A edição ficou muito legal e acho que combinou bastante com a história e o gênero do livro! <3 A leitura realmente me prendeu no enigma e adorei em como foi construída a história e seu desenrolar! Feliz que tenha visto ele por aqui e que tenha gostado! E os nacionais ainda vão dominar nosso mercado, eles merecem muito!!! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Daniela

    Em 29.08.2018

    Tenho um pouco de “ansiedade” sobre leituras de suspense… fico com palpitações! Ainda mais quando se trata de assassinatos em série… fico querendo matar o matador!!! Mas gosto de Sherlock Holmes e como vc disse que o autor conseguiu te “prender” fiquei curiosa.

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Daniela!
    ahaha Olha, então esse faria você roer as unhas de curiosidade e faria igual eu tive que fazer, pegar o embalo e só largar a leitura quando estiver na última página! Garanto que você vai se questionar sobre matar o assassino! 😉
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • leticia abrascio

    Em 29.08.2018

    historias policiais sao as minhas favoritas!! parabens pelo blog <3

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Leticia!
    Ah então com certeza essa é a melhor indicação para você! Feliz que tenha gostado do blog! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Patricia Monteiro

    Em 29.08.2018

    Os livros de suspense e mistério são os meus preferidos! E é tão bom quando a leitura nos prende, sinal de que a obra é eletrizante. Essa sinopse é bem interessante, me lembrou um pouco o filme Seven. Desejo sucesso ao autor, é mais talento nacional sendo valorizado. Bjs!

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Patricia!
    Ah esse gênero é mesmo incrível, né!? O livro me prendeu mesmo e precisei virar a noite pra descobrir tudo! eheheh Não tinha pensado na relação com Seven, mas também não consegui ver muito bem exatamente em qual sentido seria. Muito sucesso para o autor, a literatura nacional merece!
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Juliana Sales

    Em 29.08.2018

    Preciso começar dizendo que quero ler esse livro pra ontem! Talvez eu já tenha comentado aqui alguma vez que romances policiais são meu tipo preferido de leitura. O problema é que quando a gente lê muitos livros do mesmo gênero, acaba que as coisas começam a ficar repetitivas e fica meio fácil descobrir o assassino e tudo mais. Mas a premissa desse livro, de um serial killer matando suas vítimas de acordo com enredo que elas próprias criaram, é novidade para mim. Já li um livro, do Sidney Sheldon se não me engano, onde os assassinatos imitavam os crimes de um livro, mas de um único autor, tanto que ele era o principal suspeito. Enfim, sua resenha me deu vontade de ler o livro agora e me alegro por ser um escritor nacional. E essa história de que os funkos representam os personagens? Menina, não faça isso com uma pessoa ansiosa, eu morro de curiosidade! Ah, e preciso dizer que achei o título do livro incrível, me chamaria a atenção logo de cara, o autor foi muito feliz na escolha.

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Juliana!
    Ahhh que delícia saber que também quer ler! Eu fiquei muito empolgada quando conheci o livro, eu também achei o título incrível e só ele já me convenceu a fazer a leitura do livro! Não conhecia esse do Sidney Sheldon e gostei da premissa também. Achei o autor do Inverno super original na ideia e, ser nacional só aumentou meu carinho pela leitura!
    Eu tô aqui rindo, a ideia não era aumentar sua ansiedade, pode ter certeza, mas fiquei pensando no livro e peguei alguns Funkos pra representar a galera. Quem será o assassino?
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Ale Helga

    Em 29.08.2018

    Confesso que li um único livro da Ágtha Cristie e não fui feliz, embora, aprecie bastante livros de investigação…
    Mais uma vez arrasou nas fotos!!! Preciso aprender…
    E pelo visto foi na bienal!? Pena que não nos encontramos…
    Abraços

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Ale!
    Ah eu só li um da Agatha até hoje, mas dei muita sorte, gostei do estilo e da trama envolvente. Estou conhecendo mais os livros do gênero e estou adorando.
    Feliz que tenha gostado das fotos!!!
    Menina, fui sim na bienal, não sabia que você tinha ido! Fui em seis dias! eheheh Uma pena não termos nos encontrado, mas na próxima é certo que daremos um jeito!
    Obrigada pela visita! <3
    xoxo

  • Anna

    Em 29.08.2018

    Devo confessar que não simpatizo tanto com livros de gêneros de investigação, policial. Na realidade, li um livro neste tema a um par de anos atrás e desde então não encontrei algo que me agradasse para valer, que me prendesse por horas e mais horas como ocorreu contigo.
    Mas, depois de ver [várias vezes rs] a sua descrição e opinião sobre fiquei com uma baita vontade de tê-lo! Estou bastante curiosa para ler! Parece ter uma premissa tão maravilhosa, e estou simplesmente sedenta; não só pelo fato de ter passado muito tempo ser observar a vida de detetives e assassinos, porém por estar animada com a escrita e o desenvolver da estória.

    Ps¹: Amei o fato do livro ter sido construído por um autor nacional! Cada vez mais reconhecimento. Fico muito feliz!

    Ps²: Tuas imagens ficaram incríveis.

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Anna!
    Eu não sou a mais ávida leitora do gênero, acaba que estou conhecendo mais desde o ano passado e me aventurando por essas trilhas de suspense, mas só tive surpresas agradáveis até agora!
    E que maravilha saber que a resenha trouxe esse sentimento para você! O livro é super legal e de leitura muito rápida, se você quer voltar a se aventurar pelas investigações, recomendo! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo
    p.s.: Também adoro o destaque que os nacionais estão ganhando, é mais que merecido!
    p.p.s.: Feliz demais que curtiu as fotos! <3

  • Claudia

    Em 29.08.2018

    Oi Renata
    Fiquei muito curiosa para ler este livro!
    Adoro dicas de autores nacionais e este livro já está na minha lista
    Gosto muito das suas aleatoridades e das fotos
    Amei seus Funkos, ainda não tenho nenhum, mas estou namorando vários 🙂
    Bjs

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Cláudia!
    Ah vale muito a pena a leitura! Além de nacional, é do tipo que te prende de curiosidade!
    Feliz que tenha curtido as fotos e as aleatoriedades! <3
    E cuidado com Funkos, depois do primeiro, vira um vício! eheheh
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Luana Souza

    Em 29.08.2018

    Nesse livro, os psicopatas fazem o que todo leitor já se imaginou fazendo, mesmo que por poucos minutos, com os autores que matam personagens. Estaria mentindo se não disse (que já me imaginei fazendo isso ) que me interessei demais pelo livro. O título por si só já chama a atenção, e a premissa é maravilhosa! Adoro livros com mistérios, onde a gente tem que descobrir quem é assassino <3
    Vou deixar o nome salvo e tentar ler qualquer hora (talvez em formato digital). Adorei a dica, Rê!
    beijos.

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Luh!
    ahahah É verdade, quem nunca passou raiva lendo um livro e vendo seu personagem querido sendo assassinado que atire a primeira pedra!
    A premissa do livro é ótima e eu amei demais a leitura, Luh, além de me prender já no título, ficava mais e mais curiosa com o desenrolar da história.
    Quando puder ler, vai com tudo! <3
    Obrigada pela visita!
    xoxo

  • Ana Claudia

    Em 29.08.2018

    Oi, lindeza! Adorei o post sobre esse livro! Fiquei bem curiosa, confesso! Adoro histórias policiais, e achei bacana a interação com o autor, algo que valorizo em minhas parcerias. Preciso ainda dizer que gosto muito de como organiza suas postagens! Sem contar a forma divertida e irreverente que escreve! Beijos!

  • Retipatia

    Em 29.08.2018

    Oi Ana Claudia!
    Ah feliz que tenha gostado! Esse livro foi uma ótima leitura que atendeu todas as minhas expectativas que foram criadas com o título! Adorei mesmo e a interação com o autor também é muito legal!
    Gostei de saber que curte o estilo das resenhas e da escrita! Obrigada pela visita! <3
    xoxo


CAPTCHA Image
Reload Image
%d blogueiros gostam disto: