Projeto 52 Semanas ♥ 1ª e 2ª Semanas

Em 19.09.2017   Arquivado em Lifestyle, Projeto 52 Semanas, Projetos

Bom dia, tarde e noite folks!

Depois de algumas reviravoltas, eis que as postagens do Projeto 52 Semanas, que você pode conhecer melhor clicando aqui, virão todas aqui para o Retipatia… sim, talvez isso seja um claro sinal de loucura, mas sigamos em frente.

As duas primeiras semanas do projeto foram muito inspiradoras. De verdade, sem balelas. Comecei a limpeza do meu guarda-roupa e, apesar de achar que demoraria pelo menos 2 meses para conseguir arrumar, guardar e desfazer de excessos, acabou que dediquei uns três dias para essa arrumação, e consegui riscar muitos itens da minha listinha.

Para começar, vamos falar da fase do destralhe. Sempre que eu lia relatos de alguém dizendo que “não sabia que tinha tal peça no guarda-roupa” ou “não me lembrava de ter comprado isso“, eu revirava os olhos (ou o equivalente a revirar os olhos internamente). Como que alguém não se lembra de ter comprado uma roupa? Eu geralmente fico louca para usar tudo que compro. Ou mesmo, como que conseguiu, num espaço delimitado (leia-se, seu guarda-roupa não vai para Nárnia, afinal de contas…), ‘perder’ alguma peça a ponto de se esquecer dela??? Jogada de marketing, estratégia para algo que eu desconheço. E, na melhor definição popular de ‘paguar língua‘, eis que me vi em ambas as situações: eu não apenas não me lembrava de certas roupas guardadas como também não lembrava de ter comprado algumas.

Eu realmente mexi em todo o meu guarda-roupa: o tal item um tanto quanto estranho chamado ‘acumuladas do maleiro‘, compreendia alguns muitos sacos de roupas entulhados no maleiro do armário do meu quarto que eram, ressalte-se, roupas que não me serviam. E que, obviamente, eu guardei pensando ‘um dia vai servir‘… Tirei tudo e olhei peça por peça. Sinceramente, algumas nem sabia que tinha, outras, não fazia ideia do porquê eu havia guardado. Algumas, até voltaram para o cabide, porque, sim, elas serviram… rs

Avaliei tudo. Roupas de inverno, verão, roupas de banho, lingerie, meias, casacos, etc., etc., e deixei no meu armário apenas aquilo que 1: me serve e 2: me representa. Assim, acabei com dois problemas na hora de me vestir e que sempre acabavam me incomodando muito: ter peças lá que não me serviam e só ocupavam espaço e de que muita coisa eu acabava usando e era aquela peça que, na metade do dia, você já não aguenta mais, simplesmente porque não reflete nem um pouco do seu estilo atual.

Não é nada mágico do gênero: “faço milagres com o meu guarda-roupa agora“.  Não, não é isso. A questão toda é que eu e ele agora nos conhecemos melhor, ele não está abarrotado e sempre me oferece peças que eu posso usar no momento que quero. É algo mais orgânico, por assim dizer.

Uma foto que não me deixa negar o nível do mundo de roupas e isso daí era só um dos sacos que estavam no meu maleiro… rs Sr. Unicórnio ali regulando tudo no canto da cama…

Etapa vencida, uma importante pergunta: o que eu fiz com toda a roupa que tirei? Tenham noção de que foi muita, mas muita mesmo (pela foto acima dá pra sentir o drama). Sacolas e sacolas, pelo menos uns três sacos de 100l cheios de roupas, pra pensar em quantidade. 95% de tudo que foi retirado, foi doado, seja para amigas, colegas, conhecidas ou para instituições e pessoas que precisam. Cada peça foi fazer a alegria de alguém. Com certeza bem melhor empregado do que parado no meu guarda-roupa.

A parte de acessórios, bolsas, maquiagens e produtos de beleza, foi super tranquila. Tinha três prateleiras abarrotadas de bolsas (mal estavam cabendo), limpei tudo e fiquei com duas, folgadas e só com coisas que eu uso de verdade. Produtos e maquiagens, se estava fora da validade (sim, eu acumulo embalagens e produtos no meio do caminho porque comprei outro e fui experimentar um diferente…), lixo, se acabou, lixo também… rs E, vendo tudo que ficou, vi que não preciso de absolutamente produto nenhum. Tenho ainda muitos e não pretendo comprar só porque é um lançamento trilegal… Só quando algum que eu realmente gosto e preciso usar acabar, é que haverá procura por outros. Devo destacar que minha tara por esmaltes não tinha entrado nessa lista e, como os vidros de esmaltes não ficam guardados no meu armário, ainda vão precisar passar por uma inspeção. Cenas de um próximo capítulo…

Se eu desapeguei de tudo, tudo mesmo? Não, não consegui. E, para ser muito sincera, sem peso algum na consciência por isso. Sim, algumas peças que eu desejo voltar a entrar nelas, por assim dizer, voltaram para o meu maleiro. Não chega a 1/10 das roupas que estavam lá guardadas, destaque-se! Reduziu muito e, como nova meta, tenho um “re-experimentar” dessas mesmas roupas, no fim desse ano. “Ah Rê! Mas assim não vale!“, vocês podem me dizer. E eu só posso dizer que esse é um dos porquês desse projeto ser livre, não ter título de nenhuma ideologia, por mais que se inspire aqui e acolá.

A ideia aqui é ser livre para escolher tentar, escolher rever. E, apesar de duas semanas apenas, eu já revi muita coisa. Já pensei duas, três vezes antes de comprar algo. Claro, já deixei de comprar muita coisa também. Já experimentei um look novo porque via melhor as peças do meu próprio guarda-roupa. E, não tem nada relacionado à ‘preciso caber nessas roupas‘. Lá na frente, se não for isso o que eu quero, ainda posso despachar tudo e todas serão bem empregadas. O lema é ser mais leve, principalmente, no pensamento. No momento, guardar algumas peças, foi exatamente o que me deixou com essa sensação. O casaquito aí debaixo, estava no maleiro e, agora, na prateleira do armário para ser (muito) usado.

E, falando em ser mais leve, risquei alguns pontos da lista. Na verdade, apenas dois, mas que, de fato, foram grandes decisões, que ainda estão em fase de trabalho na mente e no coração. O primeiro deles era o ‘abandone uma meta‘. Eu estava com uma meta de escrita ainda para esse ano e, no fim das contas, com todas as outras coisas que me comprometi comigo mesma, eu precisava abandonar essa meta. Não porque ela é ruim ou algo que eu não queira mais. Simplesmente porque o meu tempo não é o mesmo tempo das outras pessoas e, o meu tempo, exatamente o agora, me pede para esperar. E, também, deixei de ser colaboradora no blog Juntando as Nerdices. Por mais que o coração tenha apertado, eu não postava há meses e, no fim das contas, precisava desapegar de algo que só fazia eu me cobrar de uma meta que não estava dentro das minhas possibilidades e me injuriar por isso.

O outro ponto riscado, que tem relação até com o anterior, foi o ‘avalie seus compromissos e corte o que não é possível realizar, mantenha os indispensáveis e os que te fazem bem‘. Pode até parecer com a questão da meta, mas o reflexo desse é algo que me remete mais ao meu dia a dia. Eu tenho uma grande mania de querer ‘dar conta de tudo‘. Me colocar em 1001 projetos simultâneos e depois, não ter tempo para todos. Não chega nem a ser um problema apenas de divisão de tempo, mas principalmente de assumir mais coisas que consigo. Assim, revi algumas coisas que fazia com frequência e vi que elas não podem seguir esse fluxo. Mantive o que está na lista de indispensável (como trabalhar! ahaha) e o que me faz bem (como manter o blog, ainda que, até o fim do ano, num ritmo menos intenso do que o que eu gostaria).

Depois desse textão, parece que tem dois meses de projeto. Mas, em apenas duas semanas já consigo refletir sobre alguns aspectos com mais clareza: o que preciso focar mais, o que preciso abstrair, o que me faz bem e o que não faz e o que preciso melhorar. Seja na hora de me vestir ou definir meus compromissos, é preciso ter balanço, equilíbrio. Até mesmo as postagens aqui do projeto, que seriam semanais, aos domingos, precisei reavaliar. O projeto deixaria completamente de ser algo que me traria leveza e bem-estar se me fizesse me preocupar caso não conseguisse fazer uma postagem na data ‘x’ ou ‘y’. Assim, a ideia é, juntar uns dias, umas experiências e trazer aqui para compartilhar.

E vocês, estão encarando algum tipo de projeto? Me deem dicas de blogs e leituras legais sobre organização, bem-estar, planejamento, ou mesmo de projetos que já viram, fizeram ou querem começar, o que vocês acharem legal. Qualquer dica é válida e super bem-vinda.

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Ouvindo: Say You Love Me – Jessie Ware

  • Mariangela

    Em 19.09.2017

    Oi, aqui em casa gosto de fazer uma limpa pelo menos uma vez ao mês porém nem sempre consigo e as vezes junta mais de um mês, adoro fazer listas também sobre coisas a fazer seja na área pessoal ou material e organização, queria ser mais organizada mas me esforço para melhorar a cada dia é legal as reflexões que fazemos na medida que nos empenhamos para colocar a lista em prática né? Sensação maravilhosa quando riscamos algo já feito, este ano coloquei algumas metas simples, (até falei no blog sobre elas)para eu não ter desculpas em não conseguir e tenho conseguido levar adiante interrompi um tempo mas já retomei e sigo adiante beijos seu post me inspirou a continuar seguindo beijos.

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Mariangela! É sempre bom fazer aquela limpa geral né? Eu sempre fazia, mas acabava que muita coisa ficava sem ser retirada, ficava com dó e não praticava desapego, ficava sendo mais uma faxina para organizar as coisas em seus devidos lugares. E listas sempre me ajudam bem, especialmente a memorizar as coisas. Mesmo que seja um momento que às vezes não estou com elas, me ajudam a organizar os pensamentos e ser mais produtiva. E eu também sorrio de orelha a orelha quando risco algum item da lista, fico toda felizona! ahaha Que bom que o post te inspirou, espero que consiga reativar seu projeto e seguir mais leve com a vida! <3
    xoxo

  • Erika Monteiro

    Em 19.09.2017

    Oi Rê, tudo bem? Fiquei tão feliz quando li o título do post. Quase pensei que não daria tempo de fazer o desafio. Acredito que a parte mais difícil é dar o primeiro passo depois disso tudo flui melhor. Quando vi sua cama lembrei da primeira vez que tirei tudo de dentro do meu guarda-roupa. Confesso que foi um pouco pior pois como já disse sou uma acumuladora (risos). No primeiro momento separamos as coisas e colocamos em sacolas para doação, brechó, mas sempre acaba voltando algo. Aprendi que esse pequeno exercício deve ter praticado constantemente até que estejamos livres e leves. Espero que consiga chegar onde deseja e que seja muito feliz sempre. Beijos, Érika =^.^=

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Érika! A gente tem que arrumar tempo para ter tempo para as coisas, não é mesmo?! rs Eu também acho que o mais difícil foi traçar as metas e falar “agora vai”. Tudo tem sido mais fluido depois disso.
    ahaha E não se engane pela foto, a roupada aí é só de um dos sacos que estavam no meu maleiro, não tinha nada aí que estivesse no guarda-roupa. Eu acho até que esqueci de comentar no post, mas meu quarto tem dois guarda-roupas, ambos cheios. kkkk Eu realmente tenho muita tralha! ahahah
    Minha mãe foi tão rápida com as doações que eu nem tive tempo de querer voltar atrás. O que foi algo bom, no fim das contas. E também acho que é algo gradativo, aos poucos vamos conseguindo retirar os excessos e nos livrarmos de mais coisas que não são necessárias.
    Obrigada pelo incentivo, lindona! Que venha tudo de bom para nós! <3
    xoxo

  • Leatrice Cristine da Silva Barros

    Em 19.09.2017

    Oiie

    Que coragem! Já tinha visto sobre o projeto, mas nunca li. Eu gostei, vou me desafiar também!

    Fico feliz que tenha conseguido riscar alguns itens da lista, mesmo que não tenha sido fácil. Alias, não seria desafio se fosse, né?

    Beijos!

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Leatrice!
    Ah que delícia saber disso, bora participar também! E é como você disse, não seria desafio se fosse tudo fácil! Depois me conta quando começar! <3
    xoxo

  • Amanda

    Em 19.09.2017

    Oi! Poxa, que ótimo que pra você está sendo super proveitoso o projeto e está conseguindo desapegar das tralhas, rs. Você já conseguiu bastante coisa, parabéns! Tem que ter muita força de vontade pra riscar alguns itens da lista e muitas outras a gente deixa de fazer por preguiça, mas o importante é persistir. Boa sorte, espero que continue te fazendo bem seguir esse estilo de vida. rs
    Beijos.

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Amanda!
    É realmente um grande exercício de desapego e cada dia me empolgo mais com isso. E é exatamente como você disse, alguns itens serão super difíceis de serem riscados da lista, mas acho que é legal manter o foco e testar o que pode trazer benefícios para gente! Obrigada pelas palavras de incentivo! <3
    xoxo

  • Luciana Leite

    Em 19.09.2017

    Achei o seu projeto muito interessante, estou precisando aderir também. Consumo consciente é exercer a nossa liberdade de escolha e não ser dominado pelo capitalismos selvagem. Ótima iniciativa!

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Luciana! Ah bora participar! <3 Encontrar o equilíbrio das coisas e conseguir contornar o capitalismo é uma meta alta, mas a gente chega lá! 🙂
    xoxo

  • Thainá

    Em 19.09.2017

    Oiee!
    Eu cheguei a começar um desafio parecido, e levei tombo no 1º dia: ficar offline.
    Pra mim foi horrível, não penso em repetir de novo haha
    Mas me fez pensar em quanto sou dependente da internet.
    Beijos

  • Retipatia

    Em 19.09.2017

    Oi Thainá! Nossa, imagino que banho de água fria ficar offline na hora de compartilhar a primeira parte do desafio! Com certeza a internet vicia, somos completamente atrelados a ela, de modo que algumas coisas ficam inviabilizadas se não temos acesso à rede. É importante conseguir um balanço, mas para muitas coisas, é realmente difícil ficar sem ela. 🙂
    xoxo

%d blogueiros gostam disto: