Por Trás Daqueles Olhos – Para Sempre ♥ C. M. Carpi

Em 02.03.2017   Arquivado em Resenhas

Bom dia, tarde e noite folks!

No mesmo Batcanal das quintas (e quase nunca no mesmo Bathorário), hoje tem mais uma resenha da escritora parceira aqui do blog, C. M. Carpi, autora da dualogia Por Trás Daqueles Olhos. Já rolou resenha do primeiro livro da dualogia aqui no blog, que você pode conferir clicando aqui e, é a vez da continuação, Por Trás Daqueles Olhos – Para Sempre, ganhar seu espaço no blog, porque, no coração, ele já tem. Caso você não tenha lido o primeiro volume da dualogia, esta resenha conterá spoilers sobre ele!

Sobre a Autora

C. M. Carpi vive em uma pequena cidade do interior de São Paulo e é apaixonada por livros desde que descobriu que sabia ler, especialmente romances. Quando não está escondida atrás de um laptop escrevendo, poderá ser encontrada assistindo a inúmeras séries de TV ou completamente perdida em sua pilha de livros acompanhada de uma enorme caneca de café. (Fonte: Ebook Por Trás Daqueles Olhos – Para Sempre)

Sinopse da Obra

Daniel achou que seria capaz de seguir em frente e se entregar por completo a Elena, a linda garota de olhos verdes que conquistou seu coração. Porém, quando todos os seus demônios voltam para atormentá-lo em uma fria noite de dezembro, ele se vê completamente perdido e decide ir embora, deixando para trás o grande amor da sua vida. Mas não será fácil esquecer daqueles olhos…

Elena está de volta à Beaufort. Seu passado também e ele está mais presente do que ela poderia imaginar. Sozinha e com o coração partido, precisará decidir que rumo dar a sua vida, principalmente agora que está esperando um filho do homem que ela pensou ser o seu príncipe encantado.

Reconquistar Elena não será fácil. Daniel precisará provar o seu amor e não desistirá até tê-la em seus braços novamente. Mas será que o amor é suficiente?

Impressões Sobre a Obra

Por Trás Daqueles Olhos – Para Sempre, dá sequência exatamente onde o primeiro livro nos deixou: com a separação de Daniel e Elena após o atentado de Anna. Elena dirige horas seguidas até chegar em Beaufort, a cidade em que vivia com sua avó, e Daniel se perde nas ruas e bares novaiorquinos, em um ciclo de autodestruição.

“Esse tipo de amor só acontece uma vez na vida. As pessoas podem dizer que não, que nós sempre vamos estar prontos para amar outra vez, mas eu não acredito nisso. Só existe uma pessoa, no mundo inteiro, que vai se encaixar perfeitamente a você. Você só precisa prestar atenção aos sinais, porque um dia, o universo vai dar um jeitinho de colocar os dois no mesmo caminho.”

E, nessa separação, cada um segue seu caminho tortuoso, tentando achar a si mesmo distante do outro e reparar os estragos que a separação deixou. Elena conta com a ajuda de várias pessoas que fazem parte da sua vida há muito tempo, sua avó, carinhosa, mas também uma mulher muito pé no chão e decidida; sua amiga Jess, que volta para Beaufort para ficar um tempo com ela e, Adam, seu ex-noivo e amigo (como não lembrar do momento ‘Noiva em Fuga‘ de Elena no primeiro livro?).

“O que eu quero dizer Daniel, é que tudo vai se acertar. Se ela tiver que ser sua, vai ser. Mas você precisa esquecer o passado, caso contrário, vai ser impossível seguir em frente.”

Daniel, por sua vez, reencontra Anna e, com todo o apoio incondicional de sua família somado ao conselho que a própria Elena já havia lhe dado e ao pedido de Anna para que ele tente se desprender de sua culpa, volta a fazer terapia. E ele tem certeza cada vez mais que não pode viver sem ela. Numa tentativa desesperada de conseguir falar com Elena, ele viaja até Beaufort, mas encontra a casa vazia e o reencontro é adiado. Elena fora para a casa em Topsail Beach que é de sua família e sua avó viajou, junto do namorado para Raleigh.

“… não conseguia deixar de pensar em Daniel. A falta que ele fazia chegava a me consumir. Várias vezes me peguei com o telefone nas mãos discando o número da sua casa ou do seu celular, mas desistia antes do primeiro toque.”

O tempo passa, são meses de distância e, mesmo quando Elena resolve retornar a Nova York, acompanhada de Adam – que resolveu viajar o mundo por um ano – e retomar seu trabalho no Galpão e seus projetos, ela ainda não sabe o que fará em relação a Daniel. Ele deseja vê-lo e tê-lo de volta, mas a dor em seu coração ainda pesa e, mesmo sabendo que precisa contar a ele sobre sua gravidez, ela adia o reencontro.

“- Minha mãe desistiu de mim. – Falei olhando para baixo, e mesmo que eu tentasse negar, estava tentando me fazer de vítima, porém, ela não se abalou.

– Então seja melhor do que ela.”

Um encontro ao acaso. É assim a primeira vez que Elena e Daniel se reveem, no restaurante Sushi of Gari acompanhados de Adam e Sophie. Mas nada é como nenhum dos dois esperava, já que Elena está acompanhada de Adam e Daniel explode internamente em ciúmes e, nenhuma palavra é, de fato, trocada entre os dois. Bêbado, na madrugada, Daniel tenta fazer com que Elena abra a porta de sua casa para ele. Ela não o faz e a polícia o leva preso.

“… no fundo, eu ainda nutria um restinho de esperança de que o amor que a minha avó diz ter visto nos olhos dela, tenha sido real em algum momento. A dor que seu desprezo me causou era ainda tão forte, que às vezes achava que meu coração nunca seria capaz de se recuperar. A ferida estava sempre aberta.”

Elena recebe um pedido de desculpas e a promessa de que não seria mais incomodada. Até que Sophie conta para Daniel sobre a gravidez de Elena. Dessa vez, ele não desiste e volta a casa dela, sóbrio e, finalmente, a reconciliação é alcançada.

“Eu estou aqui para te libertar.”

A história poderia terminar aqui, com um ‘e os dois viveram felizes para sempre‘ e estava tudo certo. Mas, quando se chega a esse ponto bem desenvolvido da história, você está em um terço da leitura do livro. E, os outros dois terços, servem para quê, afinal de contas?

“Você não pensou nela, Daniel. Em nenhum momento durante o término do namoro você pensou nos sentimentos dela. Sempre foi você, sempre foram os seus sentimentos. Não se engane tanto assim.”

Em ‘Para Sempre‘, nos mantemos atualizados dos dois lados da história, através da narrativa intercalada entre Elena e Daniel, do mesmo modo que no livro um. E, o foco do livro não está apenas na reconciliação do casal, mas no que vem depois dela. E, inclusive, para vários outros personagens.

“Eu tento seguir em frente, mas não consigo deixar de pensar que era eu quem deveria ter morrido naquele acidente, não Matt.”

Agora, os personagens secundários são ainda mais exploradoss, já que lá no primeiro livro, passamos um bom tempo rodando a Europa com Daniel e Elena e não temos tempo de conhecer alguns personagens da maneira devida. Sabemos mais sobre a avó de Elena, aquele tipo de pessoa certeira, que não dá ponto sem nó e sempre está dizendo a Elena exatamente as palavras que ela precisa ouvir. Conhecemos mais de Adam, que, até então, se resumia à uma memória dolorida de um quase casamento. E ainda, do lado de Daniel, vemos muito mais de seus pais, sua irmã Sophie, tios e todos que compõem o clã Marshall.

“Continuei em silêncio enquanto aqueles olhos azuis penetravam nos meus. Senti meu corpo relaxando nos seus braços. Como eu posso dizer não? Dormir em seus braços é uma das melhores partes do meu dia.”

E, assim, seguimos essa versão do ‘para sempre‘,  mesmo que sob a ótica enlaçada de Daniel e Elena, acompanhando o enlace de outros personagens que também crescem e tomam várias decisões importantes em suas vidas, vivendo suas próprias histórias.

“… não consegui conter minha emoção quando seus batimentos fortes e acelerados tomaram conta da pequena sala de ultrassom. Era mágico. Como um ser tão pequeno poderia ter um coração tão forte?”

Não poderia ser diferente com nosso casal principal, Daniel e Elena tem de passar pelo avançar da gravidez com os próprios percalços que a gestação traz, e descobrirem formas de lidar com todas suas perdas, em como criar uma criança sendo pessoas tão marcados pelo passado: Elena, com a sombra que ela sente em relação à morte de sua mãe e a aparente falta de amor que existia para com ela e Daniel, ainda ameaçado pela morte do amigo Matt.

“O sol começou a se pôr, e o que poderia ser uma vista incrível, ficou perfeita. Nunca tinha visto a cidade desse jeito. Eu já estive aqui antes, duas ou três vezes quando era adolescente, mas nunca no final da tarde. Achava terrível aquela fila de turistas esperando para subir e ver o sol se pôr. Pensava que poderia ver isso em qualquer lugar. Agora eu entendia todo aquele alvoroço.”

Acompanhamos a dor, o desentendimento, o amor e a vida desses personagens, torcendo a todo instante que, seja qual for o problema, eles possam ser superados. Porque, além do amor, eles compartilham compreensão entre um e outro.

“Como diria Mick Jagger: ‘O amor é forte’…”

No vai e vem da história, temos tudo que se pode esperar do romance: reconciliações, problemas, brigas, alguns percalços um pouco mais rígidos que outros, mas que, no fim do dia, sempre se revelam libertadores e ótimos professores. Ocorrem ainda: os melhores aniversários, o melhor casamento e finalmente a esperada viagem a Paris. Mas, não apenas isso.

“O noivo deveria esperar a noiva no altar e não entrar com ela – Falei baixo. Ele se inclinou e sussurrou em meu ouvido:

– Não queria correr o risco de ver você fugindo.”

O primeiro livro fala muito sobre a fragilidade da vida, da capacidade de superação. Para Sempre contém estes traços também, mas não traz apenas isso. É o compartilhar que tem destaque. É saber que, muito provavelmente, na vida, não vamos a lugar algum sozinhos e que, ainda assim, algumas escolhas só podem ser tomadas por nós mesmos. É um conversar sobre amor e paixão, ciúme e egoísmo, sobre perdoar e acreditar. Sobre fazer cada dia ser o mais feliz de sua vida.

“Eu me apaixonei por você no momento em que você se estatelou no chão daquele hotel… E me apaixonei por você hoje de manhã, no instante em que as portas daquele elevador se abriram e você sorriu para mim… E eu me apaixonei por você agora.”

E é isso que Daniel e Elena fazem por eles mesmos, decidem fazer cada dia de suas vidas valer a pena, cada dia ser mais feliz que o anterior e conseguir se reapaixonar diariamente. Porque, como tudo na vida, amar é uma escolha diária e deixar-se ser amado, também.

“Ainda me impressionava pela maneira como o seu olhar mexia comigo. Sempre que nossos olhares se encontravam, sempre que ela me tocava ou me beijava, sentia a mesma corrente elétrica percorrendo meu corpo. Como na primeira vez.”

No fim, eu não poderia deixar de falar da escrita da Maitê, que, além de prazerosa de ler, traz uma história bem construída e sem vícios repetitivos. Ela conseguiu fazer uma dualogia totalmente similar e distinta, que segue ritmos diferentes para o mesmo compasso. O primeiro livro é intenso e efusivo, como um mar revolto da virada da maré. O segundo é mais fluido, como as ondas que chegam na praia em maré baixa. Quase como se um fosse paixão e o outro, amor, mas sem que falte esses dois elementos em ambas as obras.

Fatos rápidos e aleatórios que quero destacar:

  • Dra. Wilson, vó Grace (sim, estou chamando de ‘vó’, porque já fiquei íntima dela) e tio Carl, quero dar um abraço em cada um pelas melhores palavras em todos os casos necessários;
  • Achei que o número de músicas citadas em Para Sempre foi menor que no volume I, mas a partir, digamos, do meio do livro, voltamos a ter mais músicas, e adoro isso! E, inclusive, amei conhecer The Civil Wars e me pergunto por que eu ainda não conhecia…;
  • Eu geralmente leio ouvindo músicas, sempre que tem uma recomendação, ele segue para meus fones e ouço enquanto leio. Comecei um capítulo, ainda me sentindo um pouco carente de músicas, e estava tocando Better Man do Leon Bridges e super combinou com o status fofura de Daniel no momento, afinal, foi no capítulo do aniversário de Elena (e eu logo tive minha sede de música preenchida com as citações do livro);
  • Daniel, eu me lembrava desse presente, ok. Estava esperando por ele.
  • Eu sou do tipo oito e oitenta, adoro um final trágico, pessoas separando-se de seus amores, as coisas dando errado, a vida fora de controle (até fiquei pensando que seria bom um spin off só da Anna, porque eu gosto dela)… mas confesso que não torci por isso nesse livro, principalmente porque percebi que não se tratava de uma versão moderna de um final feliz, mas um romance sobre a própria vida. Não dá para não torcer pela possibilidade de alegria dessa galera toda que aparece;
  • Obrigada, Elena, por dizer que meninas também jogam baseball, afinal, não existem brincadeiras de menino ou de menina;
  • E Daniel continua um tanto quanto machista + possessivo em alguns momentos a ponto de eu querer dar um “chega para lá” nele! Ainda bem que Elena é girl power e sempre o guia pelas melhores e mais sensatas decisões;
  • Atualizando o status da vida para aguardando Adam e Sophie anciosamente!

Por Trás Daqueles Olhos – Para Sempre, da C. M. Carpi pode ser comprado em sua versão física diretamente com a autora e os Ebooks, tanto do volume I quanto o II podem ser adquiridos pela Amazon aqui e aqui, respectivamente.

Que a Força esteja com vocês!

xoxo

Ouvindo: Tip of my Tongue – The Civil Wars

  • Lu Muniz

    Em 02.03.2017

    Rê sempre arrasando nas resenhas!! Parabéns pelo trabalho lindo que vc faz e, sobretudo, respeitoso! Parabéns a CM Carpi pela história incrível e que vai morar para SEMPRE em nossos corações.

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Muito obrigada Lu, nem preciso dizer que, sem você, nada disso estava aqui, né?! Tento sempre fazer jus a obra que foi lida, os livros lindos da Carpi são a fonte de todo esse amor!!! <3 <3
    xoxo

  • Camila Carvalho

    Em 02.03.2017

    Oi.
    Não conhecia esse livro nem o primeiro, mas pela sua resenha parece o tipo de leitura que me conquistaria com facilidade.
    Gostei de saber que é uma duologia, confesso que não curto trilogias ou séries.
    E que bom saber que a história é muito bem construída.
    Preciso dizer que amei suas fotos e post completo, parabéns.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Oi Camila! Sim, a história é dividida em dois livros, então dá para matar a curiosidade bem rápido!
    Muito obrigada!!! <3
    xoxo

  • Thaís Bueno

    Em 02.03.2017

    O post está lindo! Amei as fotos e já vi que os dois volumes estão disponíveis no Kindle Unlimited, adicionei na minha lista de próximas leituras. Beijos!

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Yey! Certeza que você também vai se apaixonar por Daniel e Elena! <3 Obrigada!!!
    xoxo

  • Josy Souza

    Em 02.03.2017

    Olá, Renata!
    AAAAAH, que fotos maravilhosas ♥ (bateu até uma invejinha desse talento).
    Eu fiquei muito curiosa pela história, principalmente depois de você listar os “fatos” hahahah

    Beijos,

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Oi Josy!! Mega obrigada, adorei fazer essas fotos, a medida que mais eu tiro, mais moda eu quero inventar pra que elas fiquem bem legais no post!!!
    Vai lá ler os livros, são lindos e acho que você vai adorar! <3
    xoxo

  • Alice Martins

    Em 02.03.2017

    Olá,

    Que resenha é essa??? Estou babando por tudo que li!
    Eu não conhecia a autora e nem suas obras, mas ao ler essa resenha fiquei com muita vontade de ler o primeiro livro e consecutivamente o segundo. Eu adorei a mensagem que o livro trata. saber compartilhar é realmente necessário, é um ato bonito. Nós podemos até “viver” sozinhos, mas será uma vida incompleta, com toda certeza! Sua resenha me deixou muito curiosa e as fotos ficaram lindas *-*

    Beijos!

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Oi Alice!!! Fico mega feliz que a resenha tenha despertado seu interesse nos livros, eles são realmente muito lindos e a história é apaixonante!!! <3 Obrigada!!!
    xoxo

  • Jessica

    Em 02.03.2017

    Re, é incrível a sua capacidade de me impressionar com as resenhas. Você pega muito o espírito que o auto põe no livro.

    Adoro esse livro. Essa duologia é um amorzinho

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Esses livros são mesmo muito amor!!! Obrigada pelo carinho de sempre Jessica!!! <3
    xoxo

  • Gilvana Rocha

    Em 02.03.2017

    Que linda resenha! E essas fotos maravilhosas…Parabéns! Eu já estou com o primeiro livro no meu Kindle, e já sei que irei amar essa história só pelo que vc nos contou dela. Bjs

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Vai lá ler logooo!!! ehehehe Esses livros são puro amor e você simplesmente não vai conseguir parar quando começar!!! <3
    xoxo

  • Josy Souza

    Em 02.03.2017

    Será que essa “duologia” não teria possibilidade de se tornar uma “triologia” como acontece na maioria dos casos? Será que essa fofura rende mais um? hahaha ♥

    Beijos,

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Eheheh Olha, é provável que não tenha mais história apenas de Elena e Daniel, mas posso dizer que a autora vem com outras histórias do mesmo universo de Por Trás Daqueles Olhos só para nos encantar ainda mais!!! <3
    xoxo

  • Jaqueline Silva – Meus livros, Meu Mundo

    Em 02.03.2017

    Oi!!!
    Eu vejo muito falarem sobre as obras da autora mas ainda não li nada dela.
    Confesso que sempre fico curiosa sobre seus livros, pois parecem ser do gênero que eu curto.
    Já estão na minha lista para leitura, espero conferir em breve!

    Beijinhoss

  • Retipatia

    Em 02.03.2017

    Yey, tenho certeza que você vai amar quando ler, Jaqueline! A escrita dela e cativante e as histórias, lindas! <3
    xoxo

%d blogueiros gostam disto: