Resenhas

Um Pássaro na Gaiola – Victor Pacheco

Bom dia, tarde e noite folks!

A resenha de hoje é um pouco diferente dos padrões aqui do blog. Isso porque o objeto de análise de hoje é de um conto e não de um livro, feita em parceria com o autor Victor Pacheco.

Sobre o Autor

Victor é autor do blog Espaço Pra Qualquer Um (Fanpage) e publica suas histórias através da plataforma do Wattpad (para quem não conhece, o Wattpad é uma plataforma de publicação e compartilhamento de textos), que é onde você pode ler Um Pássaro na Gaiola e as outras histórias do autor.

Sinopse do Conto Um Pássaro na Gaiola

“Quem nunca amou tanto alguém a ponto de se trancar em um quarto ouvir uma música triste e chorar? Quem nunca deu tudo de si e se viu em cacos depois? Esse conto poderia ser descrito como uma crônica de um coração partido, após ser abandonado pelo amor de sua vida o personagem se vê aprisionado em uma tristeza profunda, contudo a medida que a madrugada caminha para o amanhecer ele mergulha num caminho de auto descoberta que poderá libertá-lo dessa profunda desilusão ou destruí-lo de uma vez.” (Fonte Wattpad)

Impressões Sobre o Conto

O conto Um Pássaro na Gaiola é sobre a perda de um amor. De alguém que se fecha dentro do próprio mundo para tentar lidar com a dor e a perda, numa tentativa de parecer forte do lado de fora enquanto rui-se por dentro. E, nessa clausura criada pela própria narradora, ela vai deixando-se prender o seu próprio pássaro interno, sua liberdade, seu próprio ser. Daí, a associação ao pássaro preso na gaiola.

“Se fosse para eu me descrever usaria o termo “insuficiente”. Não “vazio”, e sim, “insuficiente”.”

O despertar para a realidade, para conseguir se livrar dos fantasmas do passado, é lento, dolorido. É sentido como tudo que aflige a vida de alguém. É um transformar de aceitação e de lidar com memórias para a descoberta da força interior e para a vida que ainda há no pássaro aprisionado.

E, como num bater de asas, num voo de liberdade, seus sentimentos, não esquecidos, deixam de aprisionar-se e o pássaro alça voo. Não se trata de esquecer a dor, de livrar das memórias e do amor. Mas de seguir em frente, renovar as expectativas e o amor próprio. Ver que não é menor por perder o amor de alguém, que, só se continua a viver quando se propõe a trilhar o caminho, ainda que não se saiba qual o destino.

“Meu pássaro ainda clama por sua liberdade e eu o libertarei em breve, já que está chegando o momento, mas antes preciso encontrar a verdade.”

A narrativa do conto ocorre em primeira pessoa, buscando maior proximidade com o leitor, assim como, em alguns momentos, são feitas perguntas diretas a este, em um monólogo que leva às próprias conclusões da narradora, para seguir adiante com sua tormenta e seu processo de libertação.

A escrita do conto é simples, com algumas tentativas de rebuscar o texto, mas que não chegam a afetar o conteúdo em si e que, de modo geral, atingem ao objetivo proposto. O que pesa em alguns momentos da narrativa é a necessidade de diversas comparações, que tentam explicar todas as palavras ditas no texto, como se cada ato precisasse ser comparado a algo. E, em alguns casos, deixa a narrativa um pouco cansativa e arrastada. Tais floreios tiraram um pouco a fluidez do texto, ainda que o intuito possa ser demonstrar os sentimentos e suas intensidades. Não que seja necessária objetividade ao contar-se um conto, ao romancear a dor da despedida, mas há a necessidade de precisão de quando se recorrer à um ou ao outro artifício perante o texto.

“Abro a gaiola e observo o pássaro que já chamei de meu experimentar o que é o céu, e o assisto voar rumo ao horizonte.”

A proposta da história e da comparação ao pássaro enjaulado, ao sofrimento pela perda, é boa e funciona no conto, mesmo seguindo o padrão básico de um conto romanceado, em que todos os elementos seguem a linearidade do padrão de perda-desilusão-esperança-libertação. É um lembrete de que a superação nem sempre vem fácil, mas que depende de cada um libertar-se de seus medos e expectativas para conseguir seguir a vida.

O conto também não é extenso, está postado em apenas um capítulo na plataforma do Wattpad e pode ser lido em poucos minutos. E, logo depois, no capítulo subsequente, o autor conta um pouco de sua experiência escrevendo o conto, e que, sua maior inspiração, à época, foram as leituras que fez dos livros de Clarice Lispector (ótimas leituras, inclusive!).

Excetuando-se algumas revisões que o texto precisa, é um bom texto para se conhecer a escrita do autor e conectar-se com os sentimentos da história, que não deixa de ser, antes de mais nada e em seu próprio modo, um conto sobre perda e superação.

Para ir direto para a leitura de Um Pássaro na Gaiola é só clicar aqui!

 Que a Força Esteja com Vocês!

xoxo

Ouvindo: Birdy – Wings

8 Comments

  1. Isso que é resenha!
    Um dia chego lá!!

    Realmente, a dor do amor é uma das piores e mais difíceis de superar. A morte é horrível, mas aquela pessoa não até mais ali, agora… O amor não, a pessoa ainda existe, ela é que não te quer mais!

    Beijos

  2. Que resenha incrível, adorei!
    Não sou muito de ler contos mas esse me parece muito profundo visto que trata-se de sentimentos tão intensos e uma leitura rápida. Achei bem interessante!
    Beijos
    http://www.nomundodaluablog.com/

  3. Que Resenha Maraaaa , Amei
    Lidar Com A Morte é A Pior Coisa , Passei Por isso Recentemente , Mas Temos Que Superar Com o Amor Que Fica !
    Parabéns

    1. Obrigada linda! A perda é sempre difícil de lidar, mas faz parte da vida e a gente segue em frente! <3 <3
      xoxo

  4. Acho que essa é a primeira resenha de conto que leio e me parece seu uma história profunda e filosófica. Não sei porque, mas me lembrei do poema O pássaro azul do Bukowski. Parabéns pela resenha você conseguiu despertar curiosidade em que lê.

    1. Oi Ane! Eu também nunca tinha feito resenha de um conto antes, fi bastante desafiador… rsrs Obrigada!!! <3
      xoxo

  5. Olá! Que lindo, acho que já gosto do conto só pela sua resenha, rsrs. Preciso te falar que eu AMEI essas fotos! <3 Você é ótima com essas fotos, meu deus, quero ser que nem você quando eu crescer, rs. Agora, voltando ao conto, gostei muito da analogia do amor perdido, do coração despedaçado com o pássaro na gaiola. Achei bem poética e sensível essa visão sobre o relacionamento, essa ideia introspectiva da dor da perda. Gostei da indicação!

    Beijos!

    1. Oi Amanda! Ah que legal, bom saber que se interessou pelo conto por causa da resenha! Ele tem uma analogia bem interessante mesmo! 🙂 Obrigada, feliz em saber que gostou das fotos também! <3
      xoxo

Repense, renove, rediscuta...